Israelenses acusados de espionar para o Irã

O serviço de segurança Shin Bet anunciou a prisão de cinco judeus israelenses acusados ​​de ajudar um agente iraniano a coletar informações e fazer conexões em Israel. Alguns dos cinco, que foram pagos pelas informações que forneceram, suspeitaram que o agente estava trabalhando para o regime iraniano, diz o Shin Bet.

Os cinco suspeitos – quatro mulheres e um homem – são imigrantes judeus do Irã ou descendentes de imigrantes iranianos. Seus nomes estão impedidos de publicação sob uma ordem de sigilo solicitada por seus advogados e concedida pelo tribunal.

De acordo com o Shin Bet, os suspeitos tiraram fotos de locais estrategicamente significativos em Israel, incluindo o Consulado dos EUA em Tel Aviv; tentou estabelecer relações com políticos; forneceu informações sobre medidas de segurança em vários locais; e cometeu outros crimes, todos sob a direção do agente iraniano e em troca de milhares de dólares.

Em um caso, o agente, que atendia pelo apelido de Rambod Namdar e fingia ser judeu, tentou convencer um dos filhos dos suspeitos a melhorar seu conhecimento da língua persa e ingressar em uma unidade de Inteligência Militar, diz o Shin Bet.

Em outros casos, os suspeitos reconheceram que estavam cientes de que Namdar poderia ser um agente de inteligência iraniano, mas continuaram suas comunicações com ele de qualquer maneira, de acordo com o serviço de segurança.

LEIA TAMBÉM

“Com suas graves ações, os envolvidos colocaram a si mesmos, suas famílias e cidadãos israelenses inocentes em risco, pois suas informações foram transferidas para a inteligência iraniana, além das informações fornecidas sobre instalações israelenses e instalações americanas em Israel, que seriam usadas para fins terroristas”, diz um alto funcionário do Shin Bet.

Os cinco suspeitos foram indiciados hoje cedo no Tribunal Distrital de Jerusalém.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Canva (montagem)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.