Knesset aprova lei “Dos uniformes aos estudos”

A Knesset aprovou uma lei que concede bolsas de estudo para ex-combatentes das FDI, nesta terça-feira, depois que o Likud aceitou uma proposta de acordo do ministro da Defesa, Benny Gantz, e retirou sua oposição ao projeto.

A lei destina-se a financiar bolsas de estudo para soldados das Forças de Defesa de Israel (FDI) que completaram o serviço militar obrigatório.

O popular programa de bolsas de estudo para a Universidade, chamado “MeMadim LeLimudim”, ou “Dos uniformes aos estudos”, oferece uma bolsa de estudos de dois terços para ex-militares combatentes e outros definidos na lei. Por uma iniciativa do ex-chefe de Estado-Maior das FDI, Gadi Eisenkot, as bolsas começaram em 2016 e tinham como objetivo tornar as oportunidades educacionais mais acessíveis aos soldados sem meios.

Entre os soldados não combatentes cobertos pelo projeto estão soldados de lares economicamente desfavorecidos, soldados drusos e árabes, “soldados solitários” que servem sem família imediata em Israel e novos imigrantes.

O financiamento foi inicialmente feito por organizações doadoras privadas. Mas para reduzir as condições impostas às doações, o governo, liderado por Gantz, queria financiar as bolsas por meio do Ministério da Defesa. Para fazer parte do orçamento de defesa, as bolsas precisavam ser aprovadas por lei.

A proposta da coalizão originalmente pretendia cobrir dois terços das mensalidades dos ex-combatentes. O Likud se recusou a oferecer seu apoio, primeiro insistindo que não queria dar à coalizão uma vitória parlamentar e depois esclarecendo que só o faria se o projeto de lei fosse alterado para cobrir 100 por cento dos custos da faculdade dos ex-soldados.

LEIA TAMBÉM

🧿 22/05/2022 – Deputada do Meretz permanecerá na coalizão
🧿 08/05/2022 – Knesset volta amanhã em meio ao caos na coalizão
🧿 03/05/2022 – Silman pede a colegas que abandonem coalizão

Dois terços, no entanto, tem sido a taxa de financiamento desde o início do programa de bolsas de estudo em 2016. Fontes da coalizão disseram que, intencionalmente, deixavam espaço para o autofinanciamento dos alunos, a fim de criar um senso de obrigação para os destinatários terminarem a escola.

Os líderes da coalizão decidiram avançar com a votação na noite de segunda-feira, desafiando os partidos da oposição a votar contra um projeto de lei tão popular. À medida que a votação se aproximava, porém, a coalizão de 60 parlamentares  parecia não ter votos suficientes para passar, dada a recusa do Partido Árabe Ra’am e das deputadas Ghaida Rinawie Zoabi (Meretz) e Idit Silman (Yamina) em apoiar a medida.

Momentos antes da votação ser realizada, Gantz anunciou que estava preparado para atender parte da demanda do Likud e que o projeto poderia cobrir 75% dos custos das mensalidades dos veteranos de combate.

O líder da oposição, Benjamin Netanyahu, convocou uma reunião de emergência durante a qual concordaram em aceitar a proposta. Na conclusão da reunião, Netanyahu convidou um grupo de veteranos que faziam lobby pelo projeto e todos eles gravaram um vídeo no qual os ex-soldados agradeceram ao Likud por seu apoio.

Netanyahu disse que também apresentaria a emenda do Likud para que as bolsas de estudo cobrissem 100% dos custos das mensalidades a uma votação no plenário. A coligação votou contra a medida junto com a Lista Conjunta, garantindo que ela caísse.

Em seguida, foi realizada uma votação final sobre o projeto de lei acordado, embora a Lista Conjunta tenha apresentado um pedido para que foi considerado um voto de desconfiança ao governo. Como resultado, todos os legisladores dos partidos de direita e religiosos da oposição abandonaram o plenário, em vez de votar a favor da coalizão. A legislação foi aprovada por 55 votos a 6, pondo fim ao mais recente teste para uma coalizão que na semana passada parecia à beira do colapso total.

Pouco antes da votação, Gantz foi ao pódio do plenário para explicar sua decisão de fazer concessões.
“Decidi acabar com isso. Meu objetivo não é prejudicar o Likud”, disse.

“Minha oferta é boa e serve a toda a sociedade israelense”, continuou Gantz. “Não estou preparado para que a política prejudique as FDI.”

“Conseguimos!” O primeiro-ministro Naftali Bennett twittou depois que a lei foi aprovada, dizendo que entrará em vigor imediatamente, garantindo bolsas de estudo para 16.500 soldados de combate.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Canva