Silman pede a colegas que abandonem coalizão

Em sua primeira entrevista  desde que renunciou à coalizão, a deputada Idit Silman disse na segunda-feira que a “erosão gradual” da identidade judaica de Israel assistida pelo atual governo a levou a desistir.

A ex-líder da coalizão alegou que o status quo em relação à defesa pública do Shabat, juntamente com outras questões relacionadas à religião e ao estado, foi violado pelo governo e que ninguém de dentro está impedindo que isso ocorra.

“Ninguém está preparado para enfrentar o partido Yisrael Beytenu sobre kashrut, conversão, a Reforma do Muro das Lamentações, o Monte do Templo, estudo da Torá”, disse Silman ao Canal 12, listando questões sobre as quais o governo tentou aprovar reformas.

Seu rompimento com a coalizão, no mês passado, ocorreu dias depois que ela criticou publicamente o ministro da Saúde, Nitzan Horowitz, por sua insistência em que os hospitais obedecessem às regras que permitem que os alimentos chametz – produtos fermentados proibidos durante Pessach – fossem levados para os estabelecimentos.

Silman também afirmou na entrevista que não lhe prometeram nada em troca de renunciar à coalizão. O site do Canal 12 informou que essa negação ocorreu apesar da reunião que ela teve com o líder da oposição Benjamin Netanyahu, horas antes de anunciar sua renúncia.

Silman, por outro lado, disse que lhe ofereceram um bom acordo em troca de ficar.

“Eu poderia ter conseguido qualquer coisa que quisesse aqui e agora”, disse a ex-líder da coalizão, acrescentando que “seguiu seu coração” e desistiu “do emprego da minha vida” ao renunciar.

De acordo com relatos da mídia, a saída de Silman da coalizão foi projetada pelo Likud, que concordou em conceder a ela a posição número 10 na lista do partido, bem como o cargo de ministra da Saúde, se formar o próximo governo.

LEIA TAMBÉM

Embora tenha admitido ter sofrido imensas críticas por permanecer no governo, Silman argumentou que foi preciso “muita coragem” para deixar a coalizão.

Ela acrescentou que aqueles que a criticaram e a sua família nos últimos meses causaram muita dor, depois que o Yamina violou suas promessas eleitorais.

Bennett não criticou publicamente Silman por sua decisão de desertar do governo, mas no início deste mês disse a parlamentares de seu partido que ela se demitiu devido à pressão insuportável que enfrentou de parlamentares da oposição e seus apoiadores.

“Idit sofreu perseguição por meses, assédio verbal no pior nível” por partidários do ex-primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e do líder do partido Sionismo Religioso Bezalel Smotrich, disse ele.

Silman foi alvo de ameaças, com militantes da direita acusando-a e ao partido Yamina de trair seus eleitores ao formar um governo de unidade para derrubar Netanyahu após 12 anos de governo. Ela disse que recebeu ameaças explícitas contra a vida dela e de sua família, e no ano passado disse que foi assediada fisicamente em um posto de gasolina.

Silman também enfrentou o sexismo de legisladores da oposição. No ano passado, ela foi instruída a “responder como uma boa menina” em um comentário do deputado Miki Zohar , do Likud, que imediatamente causou uma reação negativa. Os legisladores da coalizão condenaram Zohar pelo chauvinismo e o legislador mais tarde pediu desculpas a Silman, dizendo que seu comentário veio “no calor do momento”.

Esse incidente ocorreu poucos dias depois que o deputado Meir Porush, do partido de oposição Judaísmo Unido da Torá, chamou Silman de “uma garotinha” durante uma reunião do comitê.

Silman, em sua entrevista na segunda-feira, justificou sua decisão de deixar a coalizão, dizendo que os eleitores do Yamina “receberam o oposto” do que lhes foi prometido antes da eleição.

“Este governo perdeu o rumo”, disse ela.

Questionada sobre quem será o próximo desertor, Silman respondeu que a próxima renúncia “é apenas uma questão de tempo”.

“O governo está vivendo em tempo emprestado. Não é apenas que não tenha maioria na Knesset, não tem maioria entre a população”, disse ela.

Voltando-se para “seus amigos” nos partidos de coalizão de direita Yamina e Nova Esperança, Silman disse: “O país é importante e seu destino está em suas mãos.

“O trem já saiu da estação”, acrescentou Silman, instando-os a sair.

A deserção de Silman deixou o governo à beira do colapso com apenas 60 dos 120 assentos da Knesset. Na oposição, entretanto, 54 parlamentares estão alinhados com o bloco de direita liderado por Netanyahu, e 6 parlamentares estão na Lista Conjunta de partidos majoritariamente árabes, que se opõe a Netanyahu. Assim, apesar de o governo agora não ter maioria, não é claro que haja votos suficientes para derrubá-lo.

O líder da Lista Conjunta, Ayman Odeh, disse que não se comprometerá a participar de um voto de desconfiança, pois isso ajudaria Netanyahu em seu objetivo de retornar ao poder como primeiro-ministro.

Formar um novo governo dentro da atual Knesset, sem eleições, exigiria que vários outros membros da coalizão desertassem, potencialmente do Yamina ou do Nova Esperança. A oposição intensificou esforços na semana passada para convencer alguns membros da coalizão a seguir a liderança de Silman.

O Canal 13 na segunda-feira publicou supostos testemunhos de pessoas próximas a Silman que alegaram que a maioria de suas decisões políticas, desde a legislação até sua saída da coalizão, foram projetadas por seu marido, Shmulik Silman (foto).

“Shmulik está envolvido em tudo”, disse uma fonte próxima ao gabinete de Silman ao Canal 13.

“Ele dita tudo para ela mesmo que eles não concordem ideologicamente no assunto. Ele elabora contas para ela, liga para o escritório dela, verifica qual é a agenda para amanhã, faz comentários, exige que a equipe faça certas reuniões e ela acaba cedendo ao que ele dita. Ela costuma falar sobre assuntos críticos que Shmulik precisa ouvir primeiro para ver o que ele pensa”.

O Canal 13 mostrou uma entrevista com Silman em junho passado, antes de o governo tomar posse, mostrando Shmulik interrompendo a entrevista após certas perguntas.

Fontes da coalizão citadas na entrevista disseram que Shmulik chegava com Silman em seu gabinete na Knesset regularmente e até participaria de reuniões.

“Chegamos na reunião e de repente ela vem com ele. Não entendíamos o que ele estava fazendo lá”, disseram os funcionários. “Ela disse muitas vezes que seu marido não concordava com o governo, e teria sido melhor se ele não tivesse sido formado”.

“No final, ela é uma figura pública e não ele”, disse uma fonte próxima a Silman.

“Ela assinou seus conflitos de interesse e não ele, e não podemos saber em que conflito de interesses ele estava. Houve momentos em que ela pedia reuniões e nós perguntávamos por que, e ela dizia: ‘Shmulik o conhece, ele acha que devemos nos encontrar com ele e ouvir o que ele quer’. Não há problema em um casal consultar e compartilhar seu trabalho, mas quando se trata de assuntos de estado, esse é um problema muito sério”.

Fonte: The Times of Israel
Fotos: Wikimedia Commons

3 thoughts on “Silman pede a colegas que abandonem coalizão

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.