Líderes israelenses criticam fala de Lavrov

Líderes israelenses denunciaram na segunda-feira o ministro do Exterior da Rússia, Sergey Lavrov, por dizer que o líder nazista Adolf Hitler “tinha sangue judeu” e que os judeus estão entre os piores antissemitas.

Lavrov fez as declarações durante uma entrevista à TV italiana, na qual ele afirmou que o judaísmo do presidente ucraniano Volodymyr Zelensky não minou as alegações da Rússia de que sua invasão da Ucrânia pretendia “desnazificar” o país.

“O objetivo de tais mentiras é culpar os próprios judeus pelos crimes mais terríveis da história que foram cometidos contra eles, libertando assim da responsabilidade os opressores de Israel”, disse o primeiro-ministro Naftali Bennett em um comunicado.

A denúncia de Bennett seguiu-se à condenação mais forte do Ministro do Exterior Yair Lapid e de outros ministros israelenses. “Este é um comentário imperdoável e escandaloso, um terrível erro histórico e esperamos um pedido de desculpas”, disse Lapid.  “Os judeus não se mataram no Holocausto. A forma mais baixa de racismo contra os judeus é culpar os próprios judeus pelo antissemitismo”.

Em um sinal de deterioração das relações com Moscou, o Ministério do Exterior de Israel convocou o embaixador russo Anatoly Viktorov para exigir um pedido de desculpas.

“Um novo nível de antissemitismo foi alcançado esta manhã”, tuitou o vice-ministro do Exterior, Idan Roll, que disse que os comentários de Lavrov eram parte de uma “tendência perturbadora de menosprezar o Holocausto” por líderes russos em meio à invasão da Ucrânia.

O ministro das Finanças, Avigdor Liberman, disse que os comentários de Lavrov foram “absurdos” e nunca deveriam ter sido proferidos, acrescentando que espera um esclarecimento e um pedido de desculpas.

O ministro das Comunicações, Yoaz Hendel, chamou os comentários de Lavrov de “ilusórios” e disse que eles visavam justificar as “coisas terríveis” que a Rússia está fazendo na Ucrânia. “Para precisão histórica: Hitler não tinha sangue judeu e o que está acontecendo na Ucrânia é ultrajante”, disse ele à Rádio do Exército.

LEIA TAMBÉM

Israel evitou alinhar-se muito com ambos os lados desde que as tropas russas invadiram a Ucrânia em 24 de fevereiro. É um dos poucos países que mantém relações relativamente calorosas tanto com a Ucrânia, uma democracia ocidental, quanto com a Rússia.

A retórica vinda de Jerusalém mudou após os relatos de assassinatos civis generalizados pelos russos, com Lapid acusando explicitamente a Rússia de crimes de guerra no mês passado. Moscou também recentemente criticou publicamente Jerusalém por sua decisão de fornecer equipamentos defensivos a Kiev e uma sugestão do embaixador de Israel na Ucrânia de que as ruas fossem renomeadas na capital ucraniana para aqueles que salvaram judeus durante o Holocausto.

O ministro da Segurança Pública, Omer Barlev, disse que os comentários de Lavrov “prejudicam a memória” dos assassinados pelos nazistas. “Eles também criam uma falsa equivalência perigosa baseada em mentiras antissemitas, de uma forma que encoraja a disseminação de uma narrativa falsa e que pode levar a uma onda de antissemitismo contra os judeus em todo o mundo, particularmente na Rússia”.

O vice-ministro da Segurança Pública, Yair Golan, também criticou a observação de Lavrov.

“Uma declaração chocante e antissemita que é completamente falsa. Isso reflete o que o governo russo realmente é: um governo violento que não hesita em acabar com seus rivais em casa, invadir um país estrangeiro e acusar falsamente de renovar o nazismo”, disse Golan à rádio pública Kan.

Os comentários de Lavrov também foram denunciados no domingo à noite pelo museu do Holocausto Yad Vashem de Israel como “falsos, delirantes e perigosos, e dignos de toda condenação”. O memorial do Holocausto e outros grupos que representam sobreviventes já condenaram a alegação russa de que a Ucrânia precisava ser “desnazificada”, dizendo que “não era baseada em fatos, distorce e banaliza o Holocausto, e nós o deploramos”.

Na entrevista, Lavrov também acusou os EUA de torpedear as negociações de paz entre Moscou e Kiev e acusou a mídia ocidental de cobertura distorcida da guerra.

Lavrov disse ainda que Zelensky ainda tinha o poder de acabar com a guerra se “parasse de dar ordens criminais às suas forças nazistas”.

Zelensky se encontrou com a presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, em Kiev e chamou a reunião de um poderoso sinal de apoio em um momento difícil. O presidente ucraniano disse mais tarde que a reunião com Pelosi incluiu discussões sobre suprimentos de defesa para a Ucrânia, apoio financeiro e sanções contra a Rússia.

Fonte: The Times of Israel

One thought on “Líderes israelenses criticam fala de Lavrov

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.