Knesset volta amanhã em meio ao caos na coalizão

Os líderes dos partidos da coalizão governista do primeiro-ministro Naftali Bennett realizarão uma reunião neste domingo para planejar a estratégia antes do retorno da Knesset do recesso de primavera na segunda-feira.

Bennett vem tentando “estabilizar seu navio” desde que a líder da coalizão, Idit Silman, anunciou há cinco semanas sua reníncia. O deputado do Yamina, Nir Orbach disse no fim de semana que permaneceria na coalizão por enquanto porque não vê como um governo de direita poderia ser formado na atual Knesset sem ir às eleições.

O principal problema para Bennett está atualmente dentro do partido Ra’am (Lista Árabe Unida) de Mansour Abbas. O próprio Abbas disse em entrevistas no fim de semana que não derrubaria o governo.

“Ra’am não será a razão para o governo ser derrubado”, disse ele a um site de notícias saudita. “A coalizão é frágil, mas vamos tentar alcançar muitos objetivos para a sociedade árabe”.

Mas os deputados Waleed Taha e Mazen Ghanaim disseram que a decisão do partido de congelar sua participação na coalizão devido a confrontos com a polícia na mesquita de al-Aqsa não mudou e não mudará na próxima semana.

Se Taha e Ghanaim continuarem a se rebelar, o Likud utilizará um projeto de lei para dispersar a Knesset em uma votação em leitura preliminar na quarta-feira, na esperança de aprová-lo e iniciar um processo legislativo que possa levar ao início de eleições antecipadas.

LEIA TAMBÉM

“Se tivermos a maioria, levaremos à votação, mas mesmo que a participação de Ra’am na coalizão esteja congelada, presumo que eles ainda votariam contra”, disse uma fonte do Likud.

Fontes próximas ao líder da oposição Benjamin Netanyahu disseram que ele prefere ver Orbach se juntar a Silman na derrubada do governo porque isso tornaria o primeiro-ministro alternativo Yair Lapid o primeiro-ministro interino durante uma eleição. Netanyahu gostaria de concorrer contra Lapid, disseram as fontes.

Segundo o acordo de coalizão, se o governo for derrubado por deputados do Ra’am, Bennett permaneceria como primeiro-ministro interino durante a eleição e até que um novo governo fosse formado.

Em uma nova disputa no Yamina no fim de semana, a deputada Shirley Pinto exigiu a substituição de Silman como chefe do Comitê de Saúde do Knesset. Ela acusou a ministra do Interior Ayelet Shaked de bloquear sua nomeação e permitir que Silman mantivesse a presidência do comitê.

“Vou ficar na coalizão por enquanto”, disse ela em um evento cultural no sábado em Rishon LeTzion. “Há uma disputa em nosso partido sobre essa questão”.

Enquanto isso, a coalizão pretende levar apenas projetos de lei de consenso para votação nas segundas-feiras, quando controla a agenda da Knesset. Os primeiros projetos de lei a serem votados ajudariam as empresas prejudicadas pelo COVID-19.

O ministro das Finanças, Avigdor Liberman, disse ao programa Meet the Press do Canal 12 no sábado que acredita que a coalizão terá sucesso em permanecer no poder e aprovar o próximo orçamento estadual. Ele levará o orçamento para votação no gabinete em 16 de junho, disse ele.

Liberman culpou os líderes do Hamas, Likud e do Partido Religioso Sionista pela atual instabilidade política.

“Há uma coalizão de Yahya Sinwar,  Netanyahu e Bezalel Smotrich, que estão sempre atiçando as chamas”, disse ele.

Fonte: The Jerusalem Post

One thought on “Knesset volta amanhã em meio ao caos na coalizão

Fechado para comentários.