Lago Kineret a caminho do seu nível mais alto

O Lago Kineret, ou Mar da Galileia, está a caminho de atingir seu nível mais alto em décadas.

As chuvas deste ano e as recentes nevascas no Norte de Israel fizeram com que o nível subisse 16 centímetros para cerca de 210 metros abaixo do nível do mar, a apenas 99,5 centímetros de seu nível máximo.

Com o solo agora saturado, apesar da estiagem na segunda quinzena de dezembro e na primeira quinzena de janeiro, as esperanças foram reativadas de que, pela primeira vez desde 1992, a barragem de Degania terá de ser aberta.

Mais de 200 milímetros de chuva caíram em algumas partes da Galileia na semana passada, bem como forte neve no Monte Hermon, de modo que o forte fluxo de água nos riachos da região que alimentam o Kineret agora está garantido. São necessários apenas 52 centímetros para que o mar atinja seu nível máximo, situação em que as comunidades de seu litoral, incluindo a cidade de Tiberíades, seriam inundadas.

Mas antes que isso aconteça, as comportas localizadas perto do Kibutz Degania e da foz do Rio Jordão serão abertas, permitindo que o excesso de água escorra pelo Vale do Jordão em direção ao Mar Morto.

LEIA TAMBÉM

Com a previsão de mais chuva, a Associação de Cidades de Kineret, que monitora os níveis de água, deve tomar a decisão nas próximas semanas de abrir os portões antes que o nível da enchente seja atingido.

Idan Greenbaum, presidente da Associação de Cidades de Kineret e chefe do Conselho Regional do Vale do Jordão, pediu aos israelenses que viessem à área e se emocionassem com a visão de um Kineret cheio.

A falta de chuva nas últimas três décadas ajudou a reduzir o lago a níveis perigosos, onde os especialistas temiam que danos irreversíveis pudessem ser causados ao Lago e aos ecossistemas circundantes. A certa altura, o nível da água tinha ficado tão baixo que apareceu uma ilha.

Por muitos anos, o Mar da Galileia forneceu grande parte da água potável e de irrigação de Israel, mas à medida que a população aumentava e a demanda aumentava, o país instalou várias usinas de dessalinização de água na costa do Mediterrâneo. As águas residuais agora são recicladas para a agricultura, contribuindo para reduzir a demanda no lago.

As condições de seca de longo prazo do Mar da Galileia também causaram estragos, já que o rio Jordão que flui ao sul do lago também alimenta o Mar Morto, o ponto mais baixo do planeta a 430,5 metros abaixo do nível do mar.

Se as chuvas continuarem e as comportas se abrirem, essa água extra ajudará a reabastecer a árida área do Mar Morto.