Mahmoud Abbas ameaça se vingar do vil Israel

O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, ameaçou na quinta-feira “voltar a Israel duas vezes mais duro”, depois que a polícia israelense matou três terroristas palestinos.

Na terça-feira, as tropas israelenses realizaram uma rara operação diurna dentro da cidade palestina de Nablus, matando os três suspeitos de terrorismo.

Os três homens eram membros das Brigadas dos Mártires de Al-Aqsa, uma coalizão de grupos armados afiliados ao partido governista Fatah, da Autoridade Palestina.

“Este foi um assassinato premeditado perpetrado pelo vil ocupante sionista contra nossos filhos, nossa juventude, nosso povo”, disse Abbas em uma gravação de áudio reproduzida pelo vice-líder do Fatah, Mahmoud al-Aloul, em uma reunião de luto pelos terroristas mortos.

“Esses incidentes não vão passar despercebidos. Não permitiremos que voltem a ocorrer, nem ficaremos calados. Temos sido pacientes, suportamos isso há 70 anos. Não vamos mais suportar isso”, disse.

“Vamos revidar com o dobro de força”, avisou Abbas. “Somos nós que somos agredidos; não agredimos ninguém”.

LEIA TAMBÉM

As declarações de Abbas vieram após duras críticas dos oponentes da Autoridade Palestina (AP), que argumentaram que a política de Ramallah de coordenar a segurança com Israel provavelmente levou à operação policial que alvejou os três palestinos.

A AP trabalha regularmente com Israel para reprimir grupos terroristas palestinos na região da Samaria e Judeia, uma política bastante impopular entre os palestinos. As forças de segurança israelenses muitas vezes avisam seus colegas palestinos de antemão que um ataque está ocorrendo.

Os oficiais da unidade de contraterrorismo de Yamam que realizaram a operação usaram um chamado táxi compartilhado com placas palestinas para bloquear o carro que transportava os suspeitos no bairro de al-Makhfiya, em Nablus.

A polícia israelense negou que a operação tenha sido um assassinato direcionado, dizendo que os policiais primeiro tentaram prender os suspeitos. A polícia também disse que os policiais atiraram quando viram os suspeitos se preparando para atirar neles e os mataram antes que estes disparassem.

As tropas israelenses dispararam dezenas de tiros no carro antes de apreender dois fuzis M-16 do veículo e fugir do local.

Nas últimas semanas, houve uma série de ataques a tiros direcionados às forças de segurança israelenses e posições militares no norte da região, o mais recente na noite de sábado, quando tiros foram disparados contra um veículo da Polícia de Fronteira perto de Jenin. Pelo menos cinco desses ataques a tiros foram realizados nas últimas duas semanas, nenhum dos quais causou ferimentos a israelenses.

Um oficial de segurança israelense disse que os suspeitos palestinos estavam a caminho de cometer outro ataque, necessitando de sua intervenção.

“Eles eram uma bomba-relógio”, disse o funcionário, falando sob condição de anonimato, de acordo com os regulamentos do departamento. Designar um suspeito como uma ameaça iminente dá aos serviços de segurança liberdade legal para usar mais força do que eles teriam permissão para usar.

Após as mortes, milhares de palestinos participaram dos funerais dos três homens, cantando por vingança contra Israel.

Embora o número de ataques bem-sucedidos contra soldados e civis israelenses tenha sido relativamente baixo, nos últimos meses houve um aumento nas tensões na região.

No início de dezembro, terroristas palestinos afiliados à Jihad Islâmica atiraram e mataram um civil israelense, Yehuda Dimentman, perto do posto avançado de Homesh, no norte da Cisjordânia. Mais tarde, as forças israelenses prenderam vários suspeitos do ataque.

Fonte: The Times of Israel
Fotos (ilustrativas, montagem): Israel PoliceCC BY-SA 3.0 (Polícia), Kremlin.ruCC BY 4.0 (Abbas), via Wikimedia Commons e Police Spokesperson (armas)