Palestino termina greve de fome após acordo

O prisioneiro palestino, Hisham Abu Hawash, concordou em encerrar sua greve de fome de 140 dias após chegar a um acordo com Israel. Hawash, de 40 anos, membro da Jihad Islâmica Palestina, será libertado da prisão administrativa no mês que vem.

Segundo o advogado de Hawash, Jawad Boulos, Israel concordou em não renovar sua detenção administrativa e prometeu libertar Hawash em 26 de fevereiro.

O Haaretz informou que as negociações envolveram autoridades israelenses, da Autoridade Palestina e egípcias. O Egito tem tentado intermediar um cessar-fogo entre o Hamas e Israel.

Abu Hawash está atualmente detido sob a política de detenção administrativa de Israel.

A prática de detenção administrativa permite que o governo prenda e mantenha um suspeito sem acusação se ele representar um risco à segurança. Geralmente é usado quando o estado possui informações confidenciais indicando que o suspeito está envolvido em atividades terroristas, embora o suspeito não tenha necessariamente cometido um crime.

Israel afirma que tais meios são necessários para combater o terror, embora grupos de direitos humanos digam que Israel abusa da prática.

O Shin Bet se recusou a comentar o acordo.

LEIA TAMBÉM

A maratona de greve de fome de Abu Hawash atraiu intenso interesse entre os palestinos, bem como pressão internacional sobre Israel. Sites de notícias em árabe publicavam regularmente atualizações sobre sua condição, e pequenas manifestações espalhadas em seu nome eram realizadas em cidades palestinas.

“Ele está sendo submetido a um processo de assassinato, de eliminação”, disse a Jihad Islâmica em um comunicado. “Trataremos do assunto de acordo com nosso compromisso de responder a qualquer assassinato criminoso pelo inimigo”.

As facções palestinas em Gaza têm regularmente ameaçado de violência em resposta às condições de prisioneiros em greve de fome. A maioria dessas ameaças não se materializou; na maioria dos casos, as autoridades israelenses concordam em não renovar a detenção ou os prisioneiros encerram seu jejum.

Ramallah também exigiu que Israel libertasse Abu Hawash. A mídia oficial da Autoridade Palestina informou ainda que o presidente da AP, Mahmoud Abbas, e o chefe de inteligência da AP, Majed Faraj, pressionaram Israel a fazer um acordo.

O grupo terrorista Hamas elogiou a libertação de Abu Hawash, que chamou de “uma vitória sobre o carcereiro sionista”.

“O prisioneiro heroico Hisham Abu Hawash prova mais uma vez a capacidade do palestino de resistir, desafiar e arrancar vitórias do ocupante sionista”, disse o porta-voz do Hamas, Hazem Qasim.

Em 2006, Abu Hawash foi condenado por um tribunal militar israelense a quatro anos e meio de prisão por ajudar outros palestinos que cometeram ataques a soldados israelenses durante a Segunda Intifada, em um acordo judicial. Ele também confessou ter planejado um ataque a tiros que nunca aconteceu, de acordo com os autos do tribunal.

A Jihad Islâmica repetidamente ameaçou renovar a violência contra Israel se Abu Hawash morresse sob custódia israelense.

Fontes: World Israel News e SWI
Foto: Canva (montagem)