Shin Bet descobre rede terrorista do Hamas

Apenas um dia depois de um ataque terrorista do Hamas matou um israelense e feriu quatro outros em um ataque terrorista em Jerusalém, o Shin Bet revelou na segunda-feira que havia desbaratado uma grande rede terrorista do Hamas planejando ataques terroristas em Israel e na região da Samaria e Judeia.

A rede, liderada por altos funcionários do Hamas vivendo no exterior, operava em toda a região da Samaria e Judeia e tinha como objetivo realizar ataques, incluindo atentados suicidas em Israel.

Cerca de 50 membros da célula foram presos na operação conjunta do serviço de segurança interna de Israel – Shin Bet -, FDI e Polícia de Israel. De acordo com um comunicado divulgado pelo Shin Bet, os membros da célula presos estavam envolvidos no estabelecimento da rede e na arrecadação de fundos para a compra de armas. Durante a operação de prisão, armas e materiais explosivos suficientes para fazer três ou quatro cintos suicidas foram apreendidos.

Os membros da célula foram recrutados em toda a região, incluindo Ramallah, Hebron e Jenin. Uma das principais pessoas envolvidas na formação da rede foi Hijazi Qawasmi, de 37 anos, um conhecido agente do Hamas em Hebron. Qawasmi foi preso várias vezes devido ao seu trabalho para o Hamas e ao planejamento de ataques terroristas.

A rede foi financiada e liderada pelo vice-presidente do Birô Político do Hamas, Saleh al-Arouri, que mora na Turquia. Arouri é um dos fundadores da ala militar do Hamas, as Brigadas Izzedin al-Qassam, e é responsável por vários ataques terroristas sangrentos contra civis israelenses.

Arouri trabalhou com outros membros do Hamas no exterior, incluindo Zakaria Najib, originalmente de Jerusalém Oriental, que foi um dos sequestradores do soldado das FDI Nachson Waxman e foi libertado no Acordo Shilat. Najib esteve envolvido no planejamento de tentativas de assassinato contra israelenses em 2019.

LEIA TAMBÉM

Qawasmi se reuniu com funcionários do Hamas no exterior para formar a rede terrorista e recebeu ordens para realizar ataques terroristas. Al-Arouri ofereceu US$ 1 milhão a Qawasmi se ele conseguisse realizar um ataque de sequestro contra israelenses.

Em setembro, dois soldados das FDI da unidade de elite Duvdevan foram feridos por fogo amigo durante uma operação de prisão contra membros da rede terrorista do Hamas na cidade de Burqin, na região da Samaria e Judeia. Cinco palestinos foram mortos em confrontos com as forças israelenses durante as prisões.

Um oficial do Shin Bet afirmou que se tratava de “uma ampla e significativa obstrução de uma perigosa infraestrutura terrorista que planejou uma série de graves ataques terroristas”.

“O objetivo da intensificação da atividade terrorista do Hamas no exterior e em Gaza vis-à-vis os as atividades na Judeia e Samaria é minar a estabilidade na área, enquanto impõe um alto preço aos residentes locais”, acrescentou o funcionário.

“Vocês desempenharam bem sua missão, frustraram uma ampla rede terrorista e, graças a vocês, o povo de Israel tem mais paz e segurança”, disse o chefe do Estado-Maior das IDF, Aviv Kohavi, em uma conversa com oficiais das unidades de comando.

“Os últimos anos foram anos seguros e uma das razões para isso são vocês, os soldados. Vocês não sabem de quantas famílias evitaram muito sofrimento. Confio em vocês no treinamento, na rotina e nas atividades operacionais”, acrescentou Kohavi.

Fonte: The Jerusalem Post
Foto: FDI

3 thoughts on “Shin Bet descobre rede terrorista do Hamas

  • 23 de novembro de 2021 em 04:23
    Permalink

    Tristíssimo! Só condenar qualquer tipo de violência vinda de onde vier. Esses atentados são verdadeiras tragédias.

  • Pingback: Células do Hamas são baseadas na Turquia - Revista Bras.il

  • 23 de novembro de 2021 em 19:58
    Permalink

    Israel é a luz do Oriente Médio.
    Se houvesse paz na Região , imaginem a elevação do nível de vida e de bem estar dos palestinos que vivem em Israel e nas suas circunvizinhanças e nos demais Estados Árabes !!!
    Investimentos de centenas de bilhões de dólares seriam alavancados a curto prazo, devido à alta demanda de projetos de infraestrutura, saneamento básico e moradias dignas.
    Sem contar a vocação israelense para as questões de inovação tecnológica e suas consequências positivas para toda a Humanidade nas áreas de saúde, educação, engenharia, informática e alimentação.
    Hoje, por causa das redes terroristas Hamas, Hesbollah e a ajuda nefasta do Irã no suprimento de equipamentos genocidas e de armas, há um desperdício enorme de dezenas de bilhões de dólares por ano com o intuito exclusivo de matar israelenses, destruir patrimônio público e minar a confiança e auto estima dos israelenses

Fechado para comentários.

%d blogueiros gostam disto: