Atentado terrorista mata um e fere quatro em Jerusalém

Um atirador do Hamas abriu fogo nos becos da Cidade Velha de Jerusalém na manhã de domingo, matando um israelense e ferindo outros quatro, dois deles gravemente, disseram autoridades israelenses.

Os policiais no local abriram fogo contra o terrorista, um palestino de 42 anos de Jerusalém Oriental, e o mataram, segundo a polícia.

O Hamas saudou o ataque, chamando-o de “operação heroica” e identificou o terrorista como membro da organização Fadi Abu Shkhaydam, um líder do Hamas no campo de refugiados de Shuafat em Jerusalém Oriental, onde vivia.

Segundo a polícia, Shkhaydam entrou na Cidade Velha armado com uma submetralhadora Beretta M12 e abriu fogo contra três homens israelenses que caminhavam pela área, perto da entrada do Chain Gate para o Monte do Templo, ferindo mortalmente um deles e gravemente outros dois.

Duas policiais correram para o local de um lado do beco, abrindo fogo contra Shkaydam. Pouco depois, outros dois oficiais também correram para ajudar.

“[O atirador] se moveu pelos becos e atirou bastante. Felizmente, o beco estava quase vazio porque do contrário – Deus me livre – haveria mais vítimas. Todo o incidente durou 32 ou 36 segundos. As ações das policiais foram – operacionalmente – no nível mais alto possível”, disse o ministro da Segurança Pública, Omer Barlev, no local do ataque.

A vítima mortalmente ferida foi levada para o Hospital Hadassah Mount Scopus, onde foi declarada morta. Uma das vítimas gravemente feridas, um rabino, foi levado ao Centro Médico Shaare Zedek, onde sua condição se estabilizou um pouco após uma cirurgia de emergência, disseram os médicos. O segundo sofreu ferimentos moderados a graves – de tiros e estilhaços – e foi levado para o Hospital Hadassah Ein Kerem.

LEIA TAMBÉM

“Uma vítima com um traumatismo craniano grave, que estava na casa dos 30 anos, foi evacuada [para o hospital] enquanto fazia ressuscitação cardiopulmonar, sem sinais vitais. Uma equipe de trauma continuou a RCP, mas foi forçada a pronunciar sua morte”, disse o Hadassah.

O nome da vítima não foi divulgado imediatamente. Ele foi o primeiro civil israelense a ser morto pela violência palestina em mais de seis meses, desde o conflito de 11 dias de maio entre Israel e grupos terroristas na Faixa de Gaza, no qual 12 civis foram mortos em Israel.

Os três homens israelenses que foram baleados no ataque caminhavam pela área após deixar o Muro das Lamentações, onde estavam orando, ainda envoltos em xales de oração e usando tefilin, disse uma das vítimas, falando de sua cama de hospital.

Dois policiais, com idades entre 30 e 31 anos, foram levemente feridos na troca de tiros, provavelmente por estilhaços, de acordo com a Polícia de Israel. Eles foram levados ao Hadassah Ein Kerem para tratamento.

No vídeo da cena, uma voz fora da câmera pode ser ouvida gritando “socorro” em hebraico, seguido por uma rajada de tiros. Outros tiros podem ser ouvidos enquanto a polícia parece perseguir o agressor.

Imediatamente após o ataque a tiros, a polícia fechou o Monte do Templo para visitantes.

Barlev disse que o ataque parecia ter sido bem planejado com antecedência.

“O terrorista era um membro do braço político do Hamas que orava regularmente na Cidade Velha. Sua esposa fugiu para o exterior há três dias e ele usou armas padrão que não estão comumente disponíveis em Israel”, disse Barlev em comentários no local do ataque.

Relatos iniciais indicaram que Shkaydam havia tentado se vestir como um homem ultraortodoxo ou que um segundo agressor pode ter estado envolvido, mas estas versões foram posteriormente descartadas.

O uso de uma submetralhadora Beretta M12 no ataque era altamente incomum. A maioria dos assaltantes palestinos usa armas fabricadas localmente e adaptadas, conhecidas como Carlos, que são muito mais baratas do que as produzidas em massa, mas também são significativamente menos precisas e muito mais sujeitas a interferência. Em contraste, armas superiores feitas em fábrica são usadas por homens armados ligados a organizações terroristas que têm recursos para comprá-las. Pelo menos dois pentes de munição foram recuperados no local, junto com uma faca.

O Hamas rapidamente assumiu a responsabilidade pelo ataque, dizendo que foi o “preço” pelas ações de Israel em Jerusalém.

“A mensagem da operação heroica é um aviso ao inimigo criminoso e seu governo para impedir os ataques às nossas terras e aos nossos locais sagrados. [Israel] pagará um preço pelas iniquidades que cometer contra a mesquita de Al-Aqsa, Silwan, Sheikh Jarrah e outros lugares”, disse o grupo terrorista.

Na tarde de sexta-feira – depois que sua esposa fugiu para o exterior – Abu Shkhaydam compartilhou um antigo post no Facebook de 2014 discutindo a jornada noturna do profeta muçulmano Maomé ao Monte do Templo. O local é o lugar mais sagrado do Judaísmo, bem como o terceiro mais sagrado do Islã.

“Os anos passam e as palavras são confirmadas … até que Deus traga seu comando”, acrescentou Shkhaydam na sexta-feira.

O incidente ocorreu alguns dias após um ataque à faca na Cidade Velha, no qual dois guardas de fronteira ficaram feridos.

Após o ataque de domingo, o primeiro-ministro Naftali Bennett conversou com autoridades policiais, incluindo Barlev e o comissário de polícia de Israel Kobi Shabtai.

“Este é o segundo ataque terrorista em Jerusalém nos últimos dias. Eu instruí as forças de segurança a se mobilizarem de acordo e demonstrar vigilância, também devido à preocupação com novos ataques”, disse Bennett.

Fonte: The Times of Israel
Foto: (Captura de tela: Twitter, via The Times of Israel). Polícia no local do ataque a tiros na Cidade Velha de Jerusalém.

2 thoughts on “Atentado terrorista mata um e fere quatro em Jerusalém

Fechado para comentários.