Marcha das Bandeiras sob forte presença policial

Começou esta tarde a Marcha das Bandeiras por Jerusalém, sob a ameaça de reacender as tensões com os palestinos e representando um desafio para o novo governo de Israel.

No mês passado, as tensões entre israelenses e palestinos e a violência em Jerusalém ajudaram a desencadear 11 dias de combates entre Israel e o grupo terrorista governante de Gaza, o Hamas.

Nesta manhã, a polícia israelense com equipamento anti-motim e cavalos isolou áreas que levavam ao portão de Damasco da Cidade Velha, desocupando a área à frente de uma congregação de manifestantes israelenses no bairro.

Pelo menos 2.000 policiais foram destacados para proteger o evento, e de prontidão para deslocamento para cidades mistas de judeus e árabes caso a violência volte a explodir.

Esperava-se que a polícia evitasse que os manifestantes passassem pelo Portão de Damasco, a principal entrada do bairro muçulmano da Cidade Velha, que também abriga santuários sagrados para o judaísmo, islamismo e cristianismo e é o local mais sensível dos mais de 70 anos desde a independência do Estado de Israel.

“Jerusalém é para todas as religiões, mas Jerusalém está em Israel. E em Israel, devemos poder ir aonde quisermos, com nossa bandeira”, disse o Doron Avrahami, de 50 anos, canalizando as frustrações da direita com as restrições da polícia.

LEIA TAMBÉM

Considerando a marcha como uma “provocação”, os palestinos convocaram os protestos do “Dia da Fúria” em Gaza e na Samaria e Judeia, com memórias ainda frescas dos confrontos entre a polícia israelense e os palestinos durante o mês sagrado muçulmano do Ramadã.

“Advertimos sobre as repercussões perigosas que podem resultar da intenção da potência ocupante de permitir que colonos israelenses extremistas realizem a Marcha das Bandeiras em Jerusalém ocupada”, disse o primeiro-ministro palestino, Mohammad Shtayyeh.

Milhares de palestinos se reuniram em áreas próximas ao Portão de Damasco e pelo menos cinco ficaram feridos em confrontos com a polícia israelense disparando granadas de efeito moral, disse o serviço de ambulância do Crescente Vermelho Palestino.

Horas antes do início do evento, 13 incêndios eclodiram no entorno da Faixa de Gaza esta manhã, a maioria deles de balões enviados de Gaza. O primeiro-ministro Naftali Bennett agendou sua primeira reunião de trabalho com o chefe do Shin Bet, Nadav Argaman, e estendeu seu mandato por um mês.

Os incêndios eclodiram em campos muito próximos à cerca da fronteira no Conselho Regional de Sha’ar Hanegev, e os residentes da área, junto com as FDI e os bombeiros, controlaram o fogo. Ao mesmo tempo, vários incêndios aconteceram no Conselho Regional de Eshkol, incluindo a floresta de Kissufim, o pomar de abacate do kibutz e a floresta de Bari, além de vários outros pequenos incêndios na área. Não houve vítimas, mas as safras agrícolas foram danificadas. O corpo de bombeiros disse que a maioria dos incêndios foi pequena e não perigosa.

O Hamas tinha alertado sobre novas hostilidades durante a marcha, testando a coragem do novo governo israelense de Naftali Bennett, que aprovou a marcha ao longo de uma rota alterada, projetada para evitar atritos com os palestinos.

Bennett lidera um partido de direita, e desviar a procissão poderia enfurecer membros de sua base religiosa e expô-lo a acusações de que estava dando ao Hamas poder de veto sobre os eventos em Jerusalém.

Fontes: Reuters e The Jerusalem Post
Foto: Kristoffer Trolle (Flickr)

2 thoughts on “Marcha das Bandeiras sob forte presença policial

Fechado para comentários.