Ministério sugere substituir kaparot por doações

O Ministério de Proteção Ambiental pediu nesta terça-feira à comunidade judaica religiosa que doasse dinheiro em vez de praticar a cerimônia de kaparot com galinhas vivas antes do Dia da Expiação, que começa na noite de quarta-feira.

O ritual envolve recitar orações enquanto balança uma galinha viva ao redor da cabeça três vezes, na crença de que isso transfere os pecados da pessoa para a galinha antes do Yom Kipur, o dia mais sagrado do calendário judaico.

O frango é então abatido e doado aos pobres. Tradicionalmente, as doações em dinheiro podem substituir o frango no rito, e muitos grupos judeus incentivaram esse método.

“A maior parte da comunidade que pratica a tradição das kaparot, hoje o faz doando dinheiro para instituições de caridade para os pobres”, disse a ministra da Proteção Ambiental, Tamar Zandberg, uma ativista de longa data dos direitos dos animais.

“Os rabinos também se manifestaram ao longo dos anos contra a prática, que envolve grande sofrimento dos animais, e as doações para a caridade tornam a mitzvá algo ainda maior”.

Ativistas do grupo conhecido como Aliança para Acabar com as Galinhas como Kaparot, estão trabalhando para impedir o que consideram uma prática bárbara e vêm lutando há mais de uma década para acabar com isso.

LEIA TAMBÉM

Durante anos, eles fizeram campanha e pediram ação legal e a proibição da prática, mas sem sucesso. Agora, eles estão tentando uma abordagem diferente, com foco na comunidade.

Muito de seu trabalho se concentra em educar as pessoas sobre as Kaparot, pois existem alguns mal-entendidos profundos sobre a prática.

A prática aparentemente remonta ao final da era talmúdica, com o primeiro registro conhecido sendo por volta de 660 da EC. No entanto, Kapparot não é mencionado na Torá ou no Talmud. Sua primeira menção oficial em um texto da lei judaica foi no Shulchan Aruch no século XVI. E essa menção não foi positiva, com o compilador do Shulchan Aruch, Rabi Yosef Karo, chamando-a de “uma prática que deve ser evitada” e sugerindo usar dinheiro em vez de galinha.

Só mais tarde, quando o erudito ashkenazi, Rabino Moshe Isserles, aderiu ao trabalho, que a prática recebeu mais legitimação no Shulchan Aruch.

Muitos acreditam que ela está enraizada em costumes pagãos, e foi por essa razão que muitos rabinos se opuseram a ela ao longo da história, principalmente a autoridade do século 12, Nachmanides, mais conhecido como Ramban.

“Isso viola as leis do estado e a halachá, não sendo menos importante entre elas o tzar baalei chaim (causando aflição a um animal vivo)”, explicou Rina Deych, fundadora do grupo.

Fontes: The Times of Israel e The Jerusalem Post
Foto: Olivier Fitoussi (Flash90)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *