Ministro diz que viagens ensinam jovens a odiar a Polônia

O vice-ministro das Relações Exteriores da Polônia, Paweł Jabłoński, anunciou hoje que o país reavaliaria as visitas educacionais de jovens israelenses, enquanto a disputa diplomática entre o país sobre a lei de restituição do Holocausto continua.

Jabłoński disse que as “viagens educacionais de Israel para a Polônia não acontecem de maneira adequada e são conduzidas de uma forma que o ódio pela Polônia às vezes se infiltra na mente dos jovens. Vamos examinar a questão em profundidade porque é claro que a maneira como essas viagens acontecem não é a maneira certa”.

O parlamento polonês aprovou na quarta-feira uma lei que restringe as reivindicações sobre propriedades judias roubadas dos judeus poloneses durante o Holocausto. O projeto foi transformado em lei pelo presidente polonês Andrzej Duda, no sábado.

No contexto da crise política com a Polônia, o presidente do Comitê de Economia, deputado Michael Bitton, propõe cancelar as viagens de estudantes à Polônia e, em vez disso, aumentar o estudo e aprofundamento do Holocausto e da Segunda Guerra Mundial em Israel.

Em uma postagem no Facebook ontem, Bitton escreveu que “a crise política com a Polônia é uma oportunidade para mudar a política na educação dos estudos do Holocausto e da Segunda Guerra Mundial”.

Segundo ele os estudos e conhecimentos que os alunos recebem estão concentrados no Holocausto que ocorreu apenas na Europa Central.

LEIA TAMBÉM

“Aprender e aprofundar pode ser muito mais significativo aqui em Israel, ao mesmo tempo em que fortalece museus, centros de herança e projetos memoriais, e oferece outras instituições para várias comunidades judaicas, incluindo espanholas e orientais, conforme recomendado pelo Comitê Bitton cerca de cinco anos atrás”, enfatizou.

“Além de economizar no investimento de milhares de shekels por estudante israelense para ir à Polônia”.

Enquanto isso, o Ministério das Relações Exteriores polonês reagiu ontem às medidas anunciadas pelo ministro das Relações Exteriores Yair Lapid. No anúncio do ministério, “O governo polonês agirá de acordo com o princípio de simetria exigido nas relações bilaterais”.

Portanto, acredita-se que a Polônia implementará a proposta do Ministério das Reações Exteriores de não devolver o embaixador a Israel e poderá diminuir ainda mais o nível de representação. Também foram ouvidas ameaças sobre a continuidade da cooperação entre os dois países, inclusive nas áreas de segurança e cultura.

Yaakov Komoch, o conselheiro político do presidente polonês Andrzej Duda, disse em uma entrevista à mídia local que a reação do ministro Lapid à aprovação da lei de propriedade foi “histérica e contrária a qualquer norma diplomática”.

Segundo ele, a nova lei atende aos interesses da Polônia e protege as famílias polonesas “da máfia”. O presidente Duda alegou que os direitos de herança da propriedade foram assumidos por grupos criminosos e que muitas propriedades passaram para organizações mafiosas que “descobriram raízes judaicas”.

A organização dos sobreviventes do campo de Bergen-Belsen, em Israel, divulgou ontem um comunicado no qual fortalece a posição do chanceler Yair Lapid em sua postura agressiva em relação à Polônia. No comunicado divulgado pela presidente da organização, Shraga Milstein, afirmou-se que “o comportamento do governo polaco nos últimos anos merece, em nossa opinião, toda a condenação humana e democrática. A Polônia ignora um princípio importante da democracia liberal, o valor da propriedade privada. Ela enfatiza, infelizmente, que nada mudou e a lição não foi aprendida”.

Fontes: Maariv e Arutz Sheva
Foto: Bibi595CC BY-SA 3.0 (Wikimedia Commons)

One thought on “Ministro diz que viagens ensinam jovens a odiar a Polônia

  • 22 de agosto de 2021 em 01:57
    Permalink

    Polonia mesmo lixo que alemanha deviam ser varridos do mapa!!!

Fechado para comentários.

%d blogueiros gostam disto: