Muçulmanos revivem herança judaica no Marrocos

Um novo projeto ensina os muçulmanos que vivem nos antigos bairros judeus das cidades marroquinas sobre seus antigos moradores e lhes dá as ferramentas para desenvolver seus bairros.

Os marroquinos que agora vivem nos mellahs – bairros urbanos históricos em cidades marroquinas que já foram prósperos bairros judeus – não sabem nada sobre as pessoas que moravam lá antes deles. Esses bairros, mais tarde, se tornaram pequenos guetos, principalmente pobres, que, hoje, têm pouca ou nenhuma conexão com os judeus.

Mas um novo programa pode mudar isso. “Rebuilding Our Homes” é uma Iniciativa da Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional da Federação Sefardita Americana e da Associação Mimouna. O objetivo é reviver a próspera vida judaica nas áreas urbanas históricas de Fez, Essaouira e Rabat, ensinando seus atuais moradores sobre a história local e ajudando a torná-los parte do rico patrimônio do lugar.

“Fazemos com que os moradores desses bairros participem da preservação do local, permitindo que documentem e carreguem fotos de antigas casas judias em nosso arquivo e ensinando-lhes hebraico”, disse Jason Guberman, diretor executivo da Federação Sefardita Americana. “Queríamos estabelecer uma conexão entre jovens e adultos desses bairros e sua própria história, bem como a rica herança judaica que os cerca”, explicou.

Esta é a razão de mais uma oficina que passou a fazer parte do projeto: Judaica e arte tradicional judaica.

Hoje, muitos dos moradores dos mellahs ganham a vida criando artefatos judaicos e vendendo-os aos turistas. Mezuzot, castiçais de Shabat e outras peças tradicionais da Judaica feitas por muçulmanos estão enchendo as lojas nas vielas estreitas.

“Fiz um curso sobre a indústria judaica tradicional e como misturá-la com a arte marroquina local”, disse Hicham Essaidi, um dos artesãos que participam do projeto, ao The Media Line. “Aprendemos sobre quais ferramentas os judeus usam em suas férias, o que é importante na religião e muitas outras nuances”.

LEIA TAMBÉM

O curso, explica ele, fazia parte de uma cooperação da Associação Mimouna, da Federação Sefardita Americana, da USAID e da Fundação Mohammad V.

Essaidi disse que está animado para conhecer os turistas esperados no bairro e expressou sua esperança de que muitos israelenses venham ao Marrocos

“Tivemos que ensinar às pessoas não apenas a arte, mas também aprofundar o significado de cada artefato”, disse El Mehdi Boudra, presidente da Associação Mimouna, com sede no Marrocos, à Media Line. “Esses artefatos serão vendidos para turistas judeus e israelenses, que esperamos em grandes quantidades a partir do próximo ano”, acrescentou.

Cerca de 200.000 turistas israelenses devem visitar o Marrocos no próximo ano. Israel e Marrocos concordaram em normalizar as relações em dezembro de 2020 como parte dos Acordos de Abraham.

“Havia apenas quatro guias turísticos de língua hebraica no reino antes de iniciarmos o projeto. Agora são 200, e muitos mais querem aprender hebraico. As pessoas estão esperando que os judeus venham visitá-los e estão ansiosos para interagir com eles”, disse Boudra.

Quanto à sua própria conexão com o judaísmo, Boudra tem uma resposta surpreendente.

“Sou um muçulmano orgulhoso. Etnicamente sou árabe e amazigh. Mas culturalmente sou marroquino, o que significa judeu também”, disse ele. “Marrocos foi o lar da maior comunidade judaica do mundo muçulmano durante séculos. O judaísmo é parte integrante de nossa cultura como marroquinos, e devemos nos orgulhar disso”.

Antes da imigração maciça de judeus marroquinos para Israel, na década de 1960, havia cerca de 250.000 judeus vivendo no reino, em várias cidades.

“Minha mãe veio de Casablanca, onde judeus e muçulmanos viviam lado a lado, então sempre ouvia histórias sobre a comunidade judaica, sem conhecê-los pessoalmente. A geração mais jovem que vive nos mellahs, no entanto, não sabe quase nada sobre a rica herança judaica que nosso país tem”, disse Boudra, cuja associação é um dos vários parceiros que apoiam o projeto.

Boudra disse que o público em geral tem uma opinião positiva sobre os judeus que viviam nos mellahs.
“Pesquisamos o que as pessoas aqui pensavam sobre os judeus antes de iniciarmos o projeto e descobrimos que 85% da população tem uma opinião positiva sobre eles”, disse. “É uma alta taxa de suporte, o que foi importante para iniciarmos o programa”.

“Também testamos o que as pessoas pensam sobre os Acordos de Abraão e descobrimos que cerca de 93% das pessoas apoiam, principalmente por razões econômicas. É uma boa razão, mas queríamos encorajar uma conexão com judeus e Israel que fosse mais profunda do que apenas dinheiro. Os dois povos estiveram próximos e poderiam estar tão próximos mais uma vez”, explicou.

Rebuilding Our Homes, incluindo os cursos e workshops que o programa oferece aos locais, deve continuar por mais um ano e meio. Boudra diz que deve ser mais do que suficiente.

“Nosso objetivo era dar às pessoas as ferramentas para desenvolver seus bairros e torná-los acolhedores para os turistas judeus, porque a prosperidade econômica não deveria ficar apenas nos resorts e hotéis de alto padrão”, disse. “Mas agora é com eles. Esperamos que as pessoas que vivem nos mellahs peguem essas ferramentas e avancem com elas, tornando esta uma história de sucesso. E estamos otimistas”, disse. “As pessoas já estão começando a abrir restaurantes marroquinos casher e a mostrar mais entusiasmo pelo judaísmo. Esperamos que isso continue”.

Fonte: The Jerusalem Post
Foto: Rebuilding Our Homes (Cortesia). Judaica criada por muçulmanos locais em exibição na abertura da exposição Rebuilding Our Homes na Fundação Moha

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.