Parlamentar dinamarquês quer proibir circuncisão

Simon Emil Ammitzboll-Bille, ex-ministro do Interior da Dinamarca e líder da esquerda no país, propôs ao parlamento um projeto de lei para proibir a circuncisão, exceto por razões médicas. Segundo o parlamentar, “… o corpo de uma pessoa pertence a eles e os jovens devem decidir se desejam ser circuncidados”.

O projeto de lei causou agitação na comunidade judaica dinamarquesa, que atualmente tem 7.000 membros. O presidente da comunidade judaica local, Henri Goldstein, disse que essa é “a pior ameaça desde a Segunda Guerra Mundial”.

Nos últimos anos, o rito judaico chegou às notícias do país escandinavo em várias ocasiões em torno da questão de se é um procedimento benéfico para o menino do ponto de vista médico ou se, pelo contrário, o coloca em perigo.

A autoridade dinamarquesa de saúde e medicina realizou uma pesquisa em 2013 na qual não conseguiu demonstrar que o Brit Milah, como a circuncisão é chamada em hebraico, não tem benefícios médicos.

LEIA TAMBÉM

Por este motivo, os responsáveis ​​da Autoridade Sanitária afirmaram que não podiam publicar recomendação para a realização da circuncisão por motivos de saúde, mas que, por outro lado, não viam motivos para proibir a prática, uma vez que não foi encontrado nenhum risco anormal no estudo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *