Partidos votam para criar comitês na Knesset

Representantes do Likud, dos partidos ultraortodoxos, do Sionismo Religioso, Yamina e Ra’am votaram, hoje (segunda-feira), no comitê organizador, na indicação de três vice-presidentes da Knesset, e depois de duas semanas em que o Parlamento esteva completamente paralisado, espera-se que volte à atividade. Os cargos serão ocupados por Yaakov Margi do Shas, Matan Kahana do Yamina direita e o presidente do Ra’am Mansour Abbas.

Os três se juntarão a um representante do bloco de oposição de Netanyahu e o presidente da Knesset, Yariv Levin. O grupo deve ocupar a presidência da Knesset com poderes e cargos relacionados ao seu funcionamento diário.

A proposta aprovada é a proposta do Likud com um acordo previamente definido com Abbas, em que o comitê organizador também aprovou a criação do Comitê da Sociedade Árabe na Knesset, que será chefiado por Abbas.

Além disso, o comitê também aprovou a criação de um comitê financeiro temporário chefiado por Moshe Gafni, e o Comitê de Relações Exteriores e Defesa, chefiado por Orna Barbabi (Yesh Atid), a primeira mulher a chefiar este comitê na história da Knesset. A aprovação final de todos os votos no comitê depende de outra votação no plenário do Knesset

No início da discussão, o presidente do comitê, deputado Miki Zohar, anunciou que além dos comitês de finanças e relações exteriores e segurança, ele propõe a criação de outro comitê temporário a ser chamado de comitê de assuntos árabes. Segundo ele, o comitê terá autorização para discutir todos os assuntos da sociedade árabe.

LEIA TAMBÉM

A comissão nasceu de um acordo entre o Likud e o presidente da Ra’am, em troca do voto do Ra’am junto com o Likud na questão dos vice-presidentes da Knesset e o estabelecimento das comissões temporárias. O objetivo da medida era garantir ao Likud a maioria na presidência da Knesset, o que é decisivo nos debates e procedimentos legislativos até a formação do governo, mas também sinalizar ao bloco de oposição que Abbas votou com o Likud .

Além disso, o Sionismo Religioso, liderado por Bezalel Smutrich, recebeu uma representação no Comitê de Finanças em troca de votar a favor do estabelecimento do Comitê de Assuntos Árabes.

Smutrich disse sobre sua participação no acordo entre o Likud e o Ra’am que “não há acordo. Há tentativa de que a Knesset comece a funcionar, há irresponsabilidade do outro lado com demandas infundadas. Houve tentativas de entendimento entre os blocos. Houve ofertas super justas, mas infelizmente o outro lado do mapa recusou. Na ausência de acordos, os acordos foram costurados com Yemina e Ra’am”.

“O Estado de Israel é obrigado, em virtude de sua soberania, a lidar com os assuntos civis da sociedade árabe. Não considero errado estabelecer um comitê para lidar com esses assuntos e não considero errado cooperar com seus representantes árabes, mas não concordo que se tornem parceiros legítimos no governo, porque eles estão lutando por um grande estado islâmico sobre as ruínas de um estado judeu. Engana-se quem pensa que haverá uma liquidação aqui”.

Membros da Knesset protestaram contra o comitê, cuja criação foi incluída na agenda poucos minutos antes do início do debate. Zohar esclareceu que este seria um “comitê para a sociedade árabe”. Issawi Fridge (Meretz) atacou: “O que deveria ser, quem definiu esta coisa?”, ao que Zohar respondeu “Tudo pode ser dito sobre mim, mas certamente não que seja racista”. Fridge continuou a criticar duramente: “Que vergonha, você veio recuou 50 anos. Esta é uma segunda versão da Lei da Nacionalidade”.

A autoridade do Comitê de Assuntos Árabes será discutir questões como a erradicação do crime e da violência, planejamento e construção e educação e bem-estar na sociedade árabe, bem como “questões gerais relacionadas às autoridades locais na sociedade árabe” e “questões do Negev na sociedade árabe”. Espera-se que Abbas seja o presidente.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Captura de tela (Knesset TV)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *