Programa anticovid para a abertura do ano letivo

A morbidade continua a aumentar, mas o sistema educacional está trabalhando para iniciar o novo ano letivo, em 1º de setembro, sem problemas, mesmo com a propagação do vírus corona, por meio de um amplo programa de testes.

O Ministério da Educação concluiu a formulação de um plano que inclui quatro camadas de proteção.

Yigal Slovik, diretor-geral do Ministério, disse que o projeto que foi formulado foi acordado com o Ministério da Saúde e será apresentado neste domingo ao primeiro-ministro Naftali Bennett.

De acordo com a proposta , a partir desta semana até o retorno dos alunos às creches e escolas, 1,6 milhão de crianças de creches à sexta série serão convidadas a realizar testes sorológicos. Os pais serão convocados a acompanhar seus filhos às kupot cholim ou centros públicos que serão montados para a realização do teste.

O Ministério da Educação estima que entre 20% e 30% das crianças se recuperaram ou adoeceram, estavam assintomáticas e não sabiam que haviam adoecido. Essas crianças receberão um passaporte verde e estarão isentas de isolamento após exposição a pacientes positivos.

Como parte da aplicação da segunda camada de proteção, as famílias de 1,9 milhão de crianças do jardim de infância até a nona série receberão um kit de teste para fazer em casa, um dia antes do início do ano letivo.

LEIA TAMBÉM

Slovik observou que o esquema em questão garantirá a proteção da saúde de alunos e professores e a continuação das atividades em jardins de infância e escolas.

Ele alertou que “um fechamento posterior agravaria a situação e tornaria difícil reparar os danos já feitos”. Slovik acredita que haveria colaboração por parte dos pais para realizar os testes sorológicos e também para realizar o teste corona em casa, pois os recuperados receberão isenção de isolamento e um resultado negativo no teste corona garantirá tranquilidade e permitirá o estudo.

A terceira camada de proteção: esta fase ocorrerá com o início do ano letivo e, como parte dela, um modelo de “educação protetora” será implementado nas cidades vermelhas e laranja – uma vez por semana, testes corona serão realizados em alunos dentro das instituições de ensino dessas cidades.

A quarta camada de proteção: nas escolas, um modelo de “passaporte verde” será implementado no início do ano letivo, segundo o qual um aluno verificado positivo será enviado para o isolamento, e os demais alunos e professores expostos a ele irão para a escola e serão examinados diariamente durante uma semana.

Um aluno ou professor exposto será examinado imediatamente. Aqueles que testarem negativo retornarão às aulas e aqueles que testarem positivo serão enviados para o isolamento. Alunos e professores que se recusarem a fazer o teste serão enviados para isolamento e não terão permissão para entrar na escola.

Os primeiros testados: alunos da sociedade ultraortodoxa

Paralelamente, a partir de amanhã, acontecerá um piloto do modelo Sheba com a abertura do ano letivo na comunidade ultraortodoxa. Um piloto semelhante será realizado na sociedade árabe em setembro e, após o retorno dos feriados das Grandes Festas, será realizado no sistema de ensino geral até meados de outubro.

250.000 meninos da comunidade ultraortodoxa já estão começando o ano letivo e serão os primeiros a passar por um exame sorológico como parte de um projeto piloto do modelo de “passaporte verde”.

O Ministério da Defesa e o Ministério das Relações Exteriores concluíram uma compra rápida de testes sorológicos. O diretor-geral do Ministério da Educação, Slovik, disse que os testes sorológicos serão realizados através de prestadores externos e os alunos serão convocados para centros, a serem definidos por cada autoridade, para localizar os alunos doentes e em recuperação.

“Estimamos que cerca de 320.000 ficarão isentos de isolamento, para que as crianças se sintam mais seguras”, disse Slovik. “Em relação aos autotestes em casa, as crianças receberão um comunicado do plano da saúde ou serão encaminhadas à área pessoal do site onde receberão um voucher de kits de antígenos que poderão comprar na farmácia. Estamos nos preparando para concluir os detalhes finais”.

“Esta mudança é importante e significativa porque evita que alunos doentes entrem na escola no primeiro dia, permitirá uma aprendizagem contínua e é de extrema importância para os alunos fortalecerem as competências sociais, reduzirem as lacunas e também permitirem a presença dos pais no trabalho. Precisaremos do consentimento dos pais e sua compreensão sobre a importância do teste na prevenção de infecções e na entrada de outras crianças e seus pais em isolamento”.

O Diretor Geral observou que mais de 70% dos alunos do 11º ao 12º ano são considerados vacinados ou em recuperação, 44% dos alunos do 7º ao 9º ano e 10% dos alunos do 1º ao 6º ano são considerados em recuperação.

“O cenário é razoável para nós, se o governo não decidir sobre um fechamento geral em todo o país, o ano letivo será aberto em 1º de setembro”, disse Slovik. “Estamos preparados para qualquer cenário e se houver fechamento haverá ensino a distância”.

“Tanto quanto possível, operaremos o sistema educacional sem colocar em risco as crianças cuja proteção à saúde está diante de nossos olhos. Nós também temos filhos e todas as nossas decisões são válidas para eles também”.

Slovik frisou que de acordo com a política do Ministro da Educação, “a referência será diferente para cada cidade. Nas cidades vermelha e laranja, vamos trabalhar para diminuir os contatos, como priorizar o aprendizado em espaços abertos, dividir salas de aula e integrar ensino a distância”.

Ele também prometeu que seria feita uma distinção entre escola com alta morbidade e escola com baixa morbidade. na mesma autarquia local.

Fonte: Ynet
Foto: David Cohen (Flash90)

2 thoughts on “Programa anticovid para a abertura do ano letivo

Fechado para comentários.