O drama das autorizações para entrar em Israel

Milhares de olim e outros israelenses estão enfrentando sérias dificuldades para obter autorização para seus pais, filhos ou irmãos entrarem no país para participar de eventos familiares, enquanto centenas estão perdendo voos ou são forçados a reagendar sem saber quando tal autorização poderá chegar.

As dificuldades surgem à medida que o governo aumentou as restrições e regras para aqueles que entram no país, devido ao ressurgimento da COVID-19 em Israel e no exterior, em uma tentativa de impedir que estrangeiros infectados entrem no país.

Mas mesmo os pedidos em que os candidatos aparentemente atendem aos critérios de entrada, e cuja documentação e inscrições foram preenchidas corretamente, não estão recebendo respostas às suas solicitações de autorização de entrada em tempo hábil.

A falha em fornecer respostas está criando profunda angústia e ansiedade entre os olim que desejam desesperadamente ter seus pais, irmãos e filhos presentes em casamentos, bem como no nascimento de netos, cerimônias de circuncisão e para outros eventos e necessidades.

Brendon Davis fez aliá da África do Sul em 2015 e deve se casar em 12 de setembro. Antecipando o casamento, seus pais solicitaram uma autorização de entrada por meio de ambos os sistemas de inscrição on-line, em 19 de julho. O voo dos pais de Davis para Israel é em 18 de agosto, mas eles também aguardam a aprovação de seus pedidos.

Vindos da África do Sul, país atualmente na lista vermelha para infecções por COVID-19, os pais de Davis precisarão ficar em quarentena por pelo menos sete dias após a chegada em Israel e, portanto, estão ansiosos para voar com tempo suficiente para completar a quarentena até a hora do casamento de Brendon.

LEIA TAMBÉM

“Não estou dormindo, isso me deixou muito ansioso”, disse Davis. “Esta não é apenas uma visita normal, é para o dia do meu casamento. Lidar com isso tomou conta da minha vida nas últimas duas semanas e meia. Estou acordando a toda hora para ver se recebi a confirmação”, disse ele.

“Estou verificando meu e-mail do trabalho, e-mail particular, atualizando-os a cada meia hora, verifico o lixo eletrônico o tempo todo, é muito estressante não saber o que está acontecendo.”

Na sexta-feira, Davis foi informado de que o pedido de autorização de entrada da sua mãe havia sido aprovado, mas o de seu pai ainda estava pendente.

Em seguida, Davis foi informado de que a autorização de entrada da sua mãe fora emitida por engano e que ela ainda não estava autorizada a entrar no país.

Os pedidos de entrada de parentes estrangeiros de cidadãos israelenses no país são feitos por meio de formulários online, seja por meio do Ministério das Relações Exteriores ou da Autoridade de População e Imigração do Ministério do Interior.

Embaixadas e consulados israelenses lidam com solicitações feitas de suas jurisdições, embora um centro de processamento central no próprio Ministério das Relações Exteriores assista embaixadas e consulados com um grande número de solicitações.

O formulário de inscrição on-line do ministério solicita a data programada do voo, embora não o comprovante da passagem aérea.

As autorizações de entrada, uma vez emitidas, são válidas por 31 dias, enquanto alguns candidatos são informados de que seu pedido pode levar até 21 dias úteis para ser aprovado.

Os pedidos à Autoridade de População e Imigração são processados ​​por uma de suas 50 unidades regionais, dependendo do local de residência do cidadão israelense cujos parentes desejam entrar.

De acordo com a Autoridade de População, 7.000 inscrições foram apresentadas desde que o sistema de inscrição online entrou no ar em 15 de julho.

Existem cerca de 140 funcionários de Autoridade tratando das solicitações.

Um porta-voz disse que a Autoridade não recebeu mão de obra extra para lidar com o grande número de pedidos de permissão de entrada com os quais tem que lidar, e que os funcionários que processam tais pedidos estão fazendo isso além de suas funções regulares.

Os pedidos de autorização de entrada são processados ​​de acordo com a data em que são recebidos, com ênfase nos pedidos urgentes “na medida do possível”.

O Ministério afirmou que trabalha “de acordo com os critérios estabelecidos pelo Estado de Israel para a entrada de israelenses e estrangeiros no país”, durante a pandemia COVID-19.

Ele informou que tem recebido um grande número de tais pedidos, e que “em alguns dos consulados onde há grandes populações judias e israelenses, tem havido milhares de novos pedidos todos os dias”.

Afirma ainda: “O Ministério das Relações Exteriores está envidando todos os esforços para melhorar e tornar mais eficiente o processamento dos pedidos de autorização de entrada e para garantir que qualquer pessoa qualificada possa fazê-lo da maneira mais rápida possível”.

O ministério se recusou a dizer quantos funcionários estão trabalhando com autorizações nas embaixadas, consulados ou no centro de processamento central em sua sede, e também se recusou a dizer se recebeu ou não mão de obra extra para lidar com o grande número de pedidos de autorização de entrada.

Existem dezenas de histórias como a de Brendon e seus pais, muitas nas quais os candidatos não receberam resposta do Ministério das Relações Exteriores ou da Autoridade de População, antes de seus voos programados.

O Rabino Dov Lipman, que criou uma nova organização chamada Yad L’Olim para fornecer assistência nessas e em outras situações, diz que a organização recebe entre 10 e 20 pedidos por dia de parentes desesperados de cidadãos israelenses solicitando assistência na obtenção de licenças antes de voos iminentes.

Segundo ele, os candidatos não são informados se preencheram incorretamente os formulários de inscrição ou omitiram a documentação necessária, o que significa que o requerente nunca sabe se precisa retificar o pedido e espera em vão por autorizações de entrada que nunca virão.

Em outros casos, decisões aparentemente ilógicas são tomadas, como na inscrição de um casal em que um dos cônjuges recebe a permissão e o outro não, como a dos pais de Davis.

“Com base no que estou vendo, eu recomendaria contratar mais pessoas para revisar os pedidos, comunicar-se com os candidatos se estiverem faltando documentos específicos e criar um mecanismo para que as solicitações sejam atendidas em até 2 a 3 dias antes do voo. Essas etapas removeriam a maior parte das pressões, ansiedade e estresse de todos os lados”, disse Lipman.

Fonte: The Jerusalem Post
Foto: Davidi Vardi Pikiwiki IsraelCC BY 2.5, via Wikimedia Commons

3 thoughts on “O drama das autorizações para entrar em Israel

  • 8 de agosto de 2021 em 10:00
    Permalink

    Vergonha. Estão completamente perdidos e quem fica prejudicado são àqueles que precisam de autorização.

  • 8 de agosto de 2021 em 17:46
    Permalink

    Estávamos iludidos com o prospecto de voltar para a vida boa que tínhamos. Difícil se adaptar de novo para as restrições já sofridas dentro da nossa vida. O Delta foi estabelecido com pessoal que chegou de fora de Israel.
    Tem dúvida se as escolas funcionarão em pessoas .

  • Pingback: Israel cancela autorizações de entrada já aprovadas - Revista Bras.il

Fechado para comentários.

%d blogueiros gostam disto: