Protestos nas ruas de Tel Aviv e Jerusalém

Milhares de pessoas participaram no sábado à noite de protestos antigovernamentais simultâneos em Tel Aviv e Jerusalém, com o primeiro focando nas políticas econômicas do governo em meio ao ressurgimento da pandemia de coronavírus e o segundo pedindo ao primeiro-ministro Benjamin Netanyahu que renuncie diante de seu julgamento por corrupção.

Nas duas cidades, os protestos começaram em áreas designadas pela polícia, mas depois se espalharam pelas ruas, com manifestantes marchando pelas cidades e enfrentando os policiais. Quinze manifestantes foram presos em Jerusalém e 13 em Tel Aviv.

Na capital, milhares de pessoas protestaram perto da residência oficial do primeiro-ministro. Uma grande multidão que se reunia marchou em direção aos bloqueios montados para contê-los e bloquearam ruas, mantendo a manifestação na área por horas, em grande parte pacificamente, erguendo faixas anti-Netanyahu ao som de tambores e vuvuzelas barulhentas.

Pouco ou nenhum distanciamento social estava sendo observado entre os participantes, embora a maioria estivesse usando máscaras. As multidões compreendiam uma grande maioria de jovens, adolescentes e até os 20 a 30 anos.

Mais tarde, a polícia entrou em choque com alguns dos manifestantes e usou canhões de água na tentativa de dispersar a multidão.

LEIA TAMBÉM

Oficiais foram filmados removendo violentamente manifestantes anti-Netanyahu que bloqueavam a via perto do Parque Sacher, em Jerusalém. Vários manifestantes foram ouvidos gritando “nazistas” para os policiais.

O protesto de sábado em Jerusalém foi o quarto na semana passada no cruzamento das ruas Gaza e Balfour. Antes, manifestantes exigindo a renúncia do primeiro-ministro também se reuniram em dezenas de pontes sobre estradas em todo o país.

Antes do protesto, os organizadores da manifestação em Jerusalém disseram que estavam reunidos devido ao “fracasso do governo em administrar a crise”.

Respondendo àqueles que os acusaram de ser anarquistas, os organizadores disseram: “os verdadeiros anarquistas estão sentados no Knesset e são chefiados pelo primeiro-ministro Benjamin Netanyahu”.

Milhares também se manifestaram no Parque Charles Clore, em Tel Aviv, mantendo o distanciamento social.

No final da noite de sábado, a polícia disse que estava prendendo manifestantes em Tel Aviv que atiraram objetos e atacaram um policial com gás de pimenta. Uma tocha também foi lançada contra a polícia, aparentemente sem causar ferimentos.

Diferentemente do protesto econômico anterior em Tel Aviv, na semana passada, a manifestação desta semana também incluiu membros do movimento “bandeira negra” que alertou que Netanyahu está corroendo a democracia israelense através de seus ataques ao sistema judicial e à polícia em meio a seu julgamento por corrupção.

Os protestos da “bandeira negra” são um movimento contínuo contra Netanyahu, que está sendo julgado em uma série de casos de corrupção. Manifestações têm sido realizadas regularmente em todo o país, com manifestantes acenando placas dizendo “ministro do crime” e pedindo que Netanyahu renuncie.

Netanyahu enfrenta acusações de fraude e quebra de confiança em três casos distintos, bem como suborno em um deles. Ele negou irregularidades e alegou que as acusações fazem parte de um esforço de opositores políticos, da mídia, policiais e promotores para removê-lo do cargo.

Quando o comício chegou ao fim, centenas também bloquearam estradas perto do Charles Clore Park enquanto marchavam e continuavam cantando.

A polícia aprovou o protesto no parque com a condição de que os participantes cumpram os regulamentos de vírus e a presença fique abaixo de 8.000.

O desemprego em Israel é de cerca de 21% – ou 850.000 pessoas – e está aumentando, à medida que as restrições são impostas em meio a infecções diárias por coronavírus que atingem ainda mais a economia. Atualmente, os casos de vírus aumentam em torno de 1.800-1.900 por dia. O número de mortos desde o início da pandemia estava em 400 no sábado à noite.

Em meio ao aumento contínuo das taxas nacionais de infecção, os últimos regulamentos para o coronavírus limitaram severamente as reuniões públicas até novo aviso (embora as manifestações sejam isentas), ordenaram o fechamento de restaurantes nos ambientes internos por um futuro próximo (embora essa mudança tenha sido adiada para terça-feira após uma reação maciça dos restauradores) e ordenou vários fechamentos nos fins de semana, incluindo praias, parques e outras atividades recreativas.

Fonte: Times of Israel

Foto: Olivier Fitoussi/Flash90

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *