Pulseira para vacinado não será mais necessária

O Ministério da Saúde decidiu nesta quarta-feira que não exigirá mais que os clientes de shoppings centers usem pulseiras indicando se estão vacinados ou não, marcando uma mudança nas restrições que o primeiro-ministro Naftali Bennett e o ministro da Saúde Nitzan Horowitz haviam decidido no dia anterior.

Depois de muitas reações negativas do público, Horowitz supostamente pressionou para que o o proposta fosse alterada. Além disso, foi decidido que os shoppings supervisionariam as restrições por conta própria, da melhor maneira possível.

Na terça-feira, Bennett e Horowitz disseram que a partir de sexta-feira, com a aprovação do governo e da Knesset, as pessoas só poderiam entrar em shoppings ou outras instalações fechadas com o Passaporte Verde, exceto para itens essenciais, como farmácias, por exemplo. As pessoas receberiam uma pulseira para mostrar seu status. Não está claro agora como as pessoas que apresentaram os passaportes verdes serão identificadas ou como a exigência será aplicada.

Além de discutir o novo projeto, o Ministério da Saúde se reúne ainda nesta quarta-feira para revisar e atualizar a lista dos países vermelhos. Atualmente, 50 países africanos são vermelhos e, a partir da meia-noite de quarta-feira, o Reino Unido e a Dinamarca serão rotulados de vermelho, para onde também será proibido viajar.

A lista deve se expandir para incluir outros países ou, até, toda a Europa.

As novas regras vêm no momento em que a Omicron ameaça se espalhar por Israel e o número de novos casos diários está crescendo lentamente.

Existem agora cerca de 90 casos em Israel e pelo menos mais 150 pessoas sob suspeita de estarem infectadas.

LEIA TAMBÉM

Entre os novos casos está o de um funcionário do ministro da Defesa, Benny Gantz, que o acompanhou em uma recente visita ao exterior. Gantz entrou em isolamento por precaução, embora o indivíduo não estivesse perto do ministro durante o voo e o teste fosse negativo antes da decolagem.

Gantz ficará isolado até que os resultados do sequenciamento genético do membro da equipe sejam obtidos e se possa confirmar que o membro não é portador da variante Omicron.

O teste de Gantz deu negativo tanto na chegada de volta a Israel quanto no terceiro dia de isolamento. Ele não está doente e continuará com suas tarefas normais de casa.

5.233 crianças foram vacinadas em suas escolas desde o início da campanha, no domingo, segundo o Ministério da Saúde.

A campanha de vacinação nas escolas tem se concentrado nas crianças que vivem na periferia e especialmente nos jovens árabes, onde os números de vacinação não estão evoluindo.

No início desta semana, o Ministério da Saúde confirmou que apenas cerca de 1% das crianças árabes entre cinco e 11 anos foram vacinadas, ante cerca de 14% na população em geral.

Até agora, foram vacinados uma porcentagem muito pequena de jovens, muito aquém do que as autoridades de saúde e o governo esperavam no início da campanha, que foi lançada há cerca de três semanas.

Ao mesmo tempo, o Magen David Adom começou a realizar testes COVID-19 em palestinos que entram em Israel pela travessia de Erez. O objetivo é impedir a entrada do vírus, e especialmente da variante Omicron, em Israel.

Os casos de gripe também têm aumentado e, na quarta-feira, o Ministério da Saúde fez um forte apelo para a vacinação contra a gripe. De acordo com o Centro de Controle de Doenças de Israel, foram notificadas 565 hospitalizações desde o início da temporada, 265 a mais do que o relatado na sexta-feira passada.

Fonte: The Jerusalem Post
Foto: Olivier Fitoussi (Flash90)

One thought on “Pulseira para vacinado não será mais necessária

Fechado para comentários.