Saúde faz reunião de emergência sobre varíola

Uma reunião de emergência foi convocada pela Equipe de Gerenciamento de Epidemias do Ministério da Saúde de Israel na noite de sábado após a descoberta de um caso de varíola em Israel, na sexta-feira.

A equipe discutiu os tratamentos disponíveis para a varíola dos macacos e como ela está se espalhando pelo mundo. Um anúncio da equipe apontou que muitos pacientes parecem ser homens gays que foram infectados em festas na Europa Ocidental, mas ressaltou que a doença em si não está relacionada à preferência sexual ou exclusiva de homens homossexuais.

O Ministério da Saúde está examinando o fornecimento de vacinas e medicamentos e está se preparando para regular o diagnóstico à medida que o número de infecções em Israel aumente.

“Nesta fase, não há preocupação de uma pandemia da mesma magnitude da COVID-19, mas devemos agir de maneira focada e cautelosa”, disse o Dr. Arnon Shahar, membro da equipe.

Enquanto isso, o Ministério da Saúde pediu que qualquer pessoa que desenvolva febre e erupção cutânea logo após retornar do exterior procure atendimento médico.

A Organização Mundial da Saúde está trabalhando em mais orientações para os países sobre como mitigar a propagação da varíola, com a preocupação de que os casos possam aumentar ainda mais nos meses de verão, disse um conselheiro da agência da ONU à Reuters.

LEIA TAMBÉM

🧿 21/05/2022 – Primeiro caso de varíola detectado em Israel
🧿 08/03/2022 – Ministério da Saúde atualiza diretrizes contra pólio
🧿 07/03/2022 – Criança de quatro anos diagnosticada com pólio

A teoria de trabalho da OMS, com base nos casos identificados até agora, é que o surto está sendo causado por contato sexual, disse David Heymann, presidente do Grupo Consultivo Estratégico e Técnico da OMS sobre Riscos Infecciosos com Potencial de Pandemia e Epidemia. Ele liderou uma reunião sobre o surto na sexta-feira.

O surto em 11 países onde não é endêmico é altamente incomum, segundo os cientistas. Mais de 100 casos confirmados ou suspeitos foram relatados, a maioria deles na Europa.

Muitos dos casos atuais foram identificados em clínicas de saúde sexual.

Ele enfatizou que o surto de varíola não se assemelha aos primeiros dias da pandemia de COVID-19 porque não é transmitido com tanta facilidade. Aqueles que suspeitam que podem ter sido expostos ou que estão apresentando sintomas, incluindo a erupção cutânea e febre típicas, devem evitar contato próximo com outras pessoas, disse ele.

“Existem vacinas disponíveis, mas a mensagem mais importante é que você pode se proteger”, acrescentou.

O site do Ministério da Saúde descreve a varíola como uma “doença viral caracterizada por febre, dores de cabeça, dores musculares e fadiga; até três dias depois, uma erupção cutânea única se desenvolve. A varíola pertence à família das varíolas que aparecem de várias formas e é semelhante à catapora, mas com erupções cutâneas diferentes. O vírus dura de duas a quatro semanas e geralmente desaparece sozinho sem tratamento”.

A varíola de macaco (Monkeypox) é conhecida por ser transmitida principalmente através de gotículas no ar, mas também pode ser transferida através do contato com fluidos corporais e objetos que entram em contato com fluidos corporais, como roupas e lençóis.

Fonte: The Jerusalem Post
Foto: Canva