Startup transforma armas simples em inteligentes

À medida que Israel enfrenta novas ameaças de veículos aéreos não tripulados em várias frentes, uma startup israelense desenvolveu um dispositivo baseado em inteligência artificial que permite aos soldados de infantaria derrubar drones de até várias centenas de metros de distância e atingir seus alvos com maior precisão.

Em 2006, ao ver seu marido ser convocado para o serviço de reserva para a Segunda Guerra do Líbano, Michal Mor, engenheira com experiência em tecnologia de mísseis e CEO da Smart Shooter, percebeu que as unidades de infantaria não estavam equipadas com a tecnologia para atingir alvos com precisão, como mísseis guiados.

Ela sabia do papel que as reservas da Força de Defesa de Israel desempenharam na defesa do estado judeu ao longo de sua história, mas que esses soldados também enfrentaram desafios consideráveis para se atualizar rapidamente sobre as capacidades operacionais de tiro.

“Em combate, você tem que ser preciso e rápido. Esse é o verdadeiro desafio. Nosso objetivo é fazer com que eles atinjam o alvo, seja ele qual for – um terrorista, um drone ou qualquer outro – com precisão máxima, independentemente de suas habilidades mentais, físicas e fatores de estresse”, disse Mor.

“A combinação de ver essa falta de tecnologia nas unidades de infantaria e saber que a tecnologia existe, pois venho do mundo da tecnologia de mísseis cirúrgicos precisos, me fez querer combiná-la”, disse Mor. “Queríamos trazer a tecnologia para um nível diferente e não apenas ter um pedaço de metal e entrar em guerra”.

LEIA TAMBÉM

Mor, que trabalhou para a empresa de defesa de Israel Rafael Advanced Defense Systems, liderando grupos de pesquisa e desenvolvimento na unidade de mísseis, co-fundou a Smart Shooter com Avshalom Erlich em 2011. A tecnologia resultante se aplica a armas padrão e usa algoritmos de mira e capacidades de processamento eletro-ópticas para rastrear e atacar alvos no solo, no ar e no mar.

Os esforços de Mor na Smart Shooter foram inicialmente recebidos com ceticismo, lembrou ela, já que as unidades de infantaria não são consideradas o terreno mais fértil para a inovação de alta tecnologia. “Quando cheguei às FDI, eles não entendiam do que eu estava falando, porque controle de fogo e algoritmos, processamento de imagem e IA não são do mundo deles. É um mundo de metal e vidro”, disse ela. “Foi só quando expliquei para o pessoal de mísseis das FDI que eles entenderam o potencial”.

Hoje, soldados de infantaria armados estão usando os sistemas de controle de fogo Smash da startup para atingir alvos móveis com precisão e derrubar drones e balões incendiários enviados pela fronteira da Faixa de Gaza por agentes terroristas, disse Mor. O dispositivo montado no fuzil ajuda a aumentar a precisão para cerca de 200 a 300 metros, ajudando os soldados a ficarem mais protegidos e a minimizar as baixas, principalmente em áreas de operações densamente povoadas.

Os números do Exército indicam que, com o uso dos sistemas de controle de fogo Smash, os soldados têm 80% de chance de acertar seu alvo com um tiro, afirmou Mor.

“Em um mundo agitado de combate de infantaria em um ambiente de guerra, precisamos reduzir os danos colaterais aos espectadores e às entidades infelizes que são pegas na linha de fogo”, disse Mor.

Fonte: The Algemeiner
Foto: Cortesia Smart Shooter