Veículo autônomo para patrulhar zonas de batalha

Um robô armado por controle remoto que pode patrulhar zonas de batalha, rastrear infiltrados e abrir fogo foi anunciado na segunda-feira. O veículo não tripulado é a mais recente adição ao mundo da tecnologia de drones, que está remodelando rapidamente o campo de batalha moderno.

Os fabricantes dizem que essas máquinas semiautônomas permitem que os exércitos protejam seus soldados, enquanto os críticos temem que isso marque mais um passo perigoso na direção de robôs que tomam decisões de vida ou morte.

O robô com tração nas quatro rodas foi desenvolvido pela estatal Israel Aerospace Industries, “REX MKII”.

É operado por um tablet eletrônico e pode ser equipado com duas metralhadoras, câmeras e sensores, disse Rani Avni, vice-chefe da divisão de sistemas autônomos da empresa. O robô pode reunir inteligência para tropas terrestres, transportar soldados feridos e suprimentos dentro e fora da batalha e atacar alvos próximos.

É o mais avançado dos mais de meia dúzia de veículos não tripulados desenvolvidos pela subsidiária da Aerospace Industries, ELTA Systems, nos últimos 15 anos.

Os militares israelenses estão usando um veículo menor, mas semelhante, chamado Jaguar, para patrulhar a fronteira com a Faixa de Gaza e ajudar a reforçar o bloqueio imposto por Israel em 2007, depois que o território foi dominado pelo grupo militante islâmico Hamas.

LEIA TAMBÉM

De acordo com o site do exército israelense, o semiautônomo Jaguar está equipado com uma metralhadora e foi projetado para reduzir a exposição dos soldados aos perigos do patrulhamento da instável fronteira Gaza-Israel. É uma das muitas ferramentas, incluindo drones armados com mísseis teleguiados, que deram aos militares israelenses vasta superioridade tecnológica sobre o Hamas.

Veículos terrestres não tripulados estão sendo cada vez mais usados por outros exércitos, incluindo os dos Estados Unidos, Grã-Bretanha e Rússia. Suas tarefas incluem apoio logístico, remoção de minas e armas de fogo. O tablet pode controlar o veículo manualmente. Mas muitas de suas funções, incluindo seu sistema de movimento e vigilância, também podem funcionar de forma autônoma.

“A cada missão, o dispositivo coleta mais dados que ele aprende para missões futuras”, disse Yonni Gedj, um especialista operacional na divisão de robótica da empresa.

Os críticos levantaram preocupações de que as armas robóticas poderiam decidir por conta própria e, talvez erroneamente, atirar em alvos. A empresa afirma que esses recursos existem, mas não estão sendo oferecidos aos clientes.

“É possível tornar a própria arma autônoma também, mas hoje é uma decisão do usuário”, disse Avni. “A maturidade do sistema ou do usuário ainda não chegou.”

Fonte: The Times of Israel
Foto: Capura de tela (YouTube CRUX)