“Vacina em casa”, o novo programa do governo

Em um esforço para alcançar mais de um milhão de israelenses que permanecem não vacinados, o ministro da Saúde, Nitzan Horowitz, anunciou na segunda-feira que enviará unidades móveis de vacinação às comunidades com as taxas de vacinação mais baixas, informou o The Times of Israel.

Horowitz disse que há uma correlação entre a resposta à vacinação e o status socioeconômico, e que as comunidades árabes israelenses estão entre as menos vacinadas no país.

As vilas e cidades com as taxas de vacinação mais baixas em Israel são Jerusalém, Ar’ara, Kuseife, Hura, Be’er Sheba, Rahat, Beit Shemesh, Ashdod, Lod, Elad, Kafr Qasim, Tira, Bnei Brak, Qalansawe, Harish, Baqa al Gharbiya, Afula, Nazareth, Daliyat al Karmel, Kafr Manda, Shfaram, Tamra, Tiberias, Safed e Jadeidi-Makr.

“Os ricos são mais vacinados. Populações mais pobres, muito menos”, disse Horowitz . “Não vou desistir desses grupos, não sob minha gestão”, prometeu.

Apresentando o programa Vacina em Casa, Horowitz disse: “Estamos aumentando o número de locais de atendimento e nosso objetivo é atingir taxas máximas de inoculação para reforços e primeiras doses. Israel tem 1.080.000 pessoas elegíveis que não foram vacinadas. Eu quero fazer uma mudança significativa neste número. Pode ser um fator decisivo nesta campanha”.

LEIA TAMBÉM

“A única maneira de derrotar a pandemia e não atingir números realmente graves é vacinar três milhões de pessoas com a terceira dose nas próximas semanas”, disse Horowitz .

Até agora, mais de 1,5 milhão de israelenses receberam a terceira dose.

Desde a semana passada, a terceira dose está disponível para qualquer pessoa com mais de 40 anos.

Várias redes israelenses informaram na segunda-feira que o diretor-geral do Ministério da Saúde, Najman Ash, poderia aprovar a extensão da elegibilidade para a terceira dose para maiores de 30 anos e até mesmo eliminar totalmente a exigência de idade.

Apesar do número crescente de casos, o governo evitou aplicar restrições drásticas. Em vez disso, optou pela terceira dose da vacina para conter a onda de COVID-19 .

As autoridades de saúde indicaram que os dados iniciais mostram que as doses de reforço já estão ajudando a reduzir a taxa de casos graves. Os primeiros dados do Ministério da Saúde, anunciados pelo Canal 12 no domingo, mostraram que aqueles que receberam a terceira dose da vacina parecem estar altamente protegidos contra a doença.

De acordo com os dados, apenas 0,2% dos primeiros 1,1 milhão de israelenses que receberam sua dose de reforço foram diagnosticados com COVID-19 após pelo menos 7 dias se passaram desde a inoculação.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Yossi Aloni/Flash90

One thought on ““Vacina em casa”, o novo programa do governo

Fechado para comentários.