“Vamos abrir os céus para permitir o voto”

A ministra dos Transportes, Miri Regev, apresentou hoje (domingo), um plano de abertura dos céus, afirmando que a entrada de cidadãos israelenses seria possível sem passar pelo comitê de exceções, a fim de permitir o voto nas eleições.

O governo vai votar esta proposta, amanhã, e vai discutir a abolição do isolamento de hotéis, reforçando o isolamento doméstico em repatriados do exterior. O Comitê de Exceções também não seria utilizado para aqueles que vão para o exterior.

A Autoridade de Aeroportos estima que haja pelo menos 25.000 israelenses que desejam voltar para votar, além de cerca de 15.000 que desejam retornar por vários motivos e submeteram um pedido ao Comitê de Exceções.

A ministra dos Transportes disse que haverá testes corona na entrada de Israel. “Nós nos esforçamos para testes rápidos na chegada dos voos israelenses. Todas as companhias aéreas israelenses serão equipadas com aparelhos de alta velocidade sujeitos à aprovação do Ministério da Saúde”, disse ela.

LEIA TAMBÉM

Faz parte do plano a ser apresentado também, o reconhecimento de outras vacinas dadas ao redor do mundo, e não apenas vacinas da Pfizer e Moderna.

Regev esclareceu que o pedido do Ministro da Justiça, Benny Gantz, foi aceito  e que um representante do Ministério da Justiça seria nomeado para o Comitê de Exceções. A Ministra dos Transportes também repeliu as críticas feitas pelo Canal 12 e o jornal do Haaretz sobre o Comitê de Exceções, segundo o qual discrimina entre ultraortodoxos e seculares.

Gantz disse após a declaração de Regev: “O que aconteceu no Aeroporto Ben Gurion requer respostas ao público: como o comitê foi conduzido? Quantas consultas foram negadas e por quê? Por isso, um representante do Ministério da Justiça compareceu à comissão hoje, e vamos exigir amanhã no governo que seja aprovada a proposta que permitirá a entrada de todos os israelenses que queiram voltar para casa. Não menos do que isso”.