Partidos pedem transparência no Comitê de Exceções

Uma investigação, que revelou falhas no processo de aprovação de entrada e saída de Israel feita pelo Comitê de Exceções, provocou indignação no sistema político.

O partido Yesh Atid enviou uma carta ao procurador-geral Avichai Mandelblit com cópias para os ministros e um secretário do governo para que se esclareça o processo de tomada de decisão do Comitê.

A carta exige uma investigação imediata sobre as atividades do Comitê, divulgando a identidade de seus membros, suas decisões, motivos e critérios claros e transparentes para o seu trabalho, o que revelou graves omissões nos trabalhos da comissão.

De acordo com a investigação, a maioria dos passageiros autorizados a entrar em Israel são pessoas que usam seus laços com os ultraortodoxos para obter uma autorização de entrada em Israel, enquanto outros casos verdadeiramente humanitários são ignorados.

A investigação também apontou uma indústria de falsificações de certificados de recuperados de corona do setor ultraortodoxo como condição para o ingresso no país.

LEIA TAMBÉM

Segundo o presidente do Yesh Atid, Yair Lapid, “o que funciona hoje no Aeroporto Ben Gurion não é um comitê de exceções, é um comitê de votação. Dezenas de milhares de bons israelenses estão presos no exterior e as únicas pessoas que podem entrar são os eleitores de Netanyahu, Litzman e Ben Gvir. Vamos apelar para o Supremo Tribunal, vamos recorrer ao Procurador-Geral, vamos parar este escândalo nacional”.

O ministro da Justiça, Benny  Gantz, anunciou que não aprovará a prorrogação da regulamentação, que expira em 10 de março, até que um representante do ministério entre nas audiências do Comitê de Exceções. Ele também queria adotar um esquema que permitiria que cada cidadão viesse a Israel para votar no dia da eleição. Gantz afirmou que se seu pedido não fosse atendido, “seria responsabilidade exclusiva de Netanyahu provar que ele não se preocupa com a política antes de se preocupar com a vida humana. A realidade é chocante, e não há dúvida de que os critérios pelos quais são adotadas as decisões do comitê devem ser revelados com urgência”.

Gideon Saar, candidato a primeiro-ministro pelo partido Tikva, também atacou o trabalho do comitê.

O presidente do Meretz, Nitzan Horowitz, disse que “Netanyahu, Regev e Litzman estão fazendo uma seleção no Aeroporto Ben Gurion”.

O partido Israel Beitenu começou a coletar assinaturas para convocar uma reunião especial do plenário sobre a conduta de emissão de autorizações de entrada em Israel.

Por outro lado, o presidente do partido religioso Shas, ministro Aryeh Deri, atacou as acusações e disse que esta foi uma “campanha venenosa e feia contra os ultraortodoxos, que provavelmente decorre de considerações políticas”. “O Comitê de Exceções não tem preferência por nenhuma população. Muitos ultraortodoxos vêm de Nova York, muitos seculares vêm de Frankfurt”.

O presidente do Sionismo Religioso, Bezalel Smutrich, concordou com Deri e disse que o comitê está funcionando corretamente. “Eles estão trabalhando 24 horas por dia sob uma carga absurda e examinando dezenas de milhares de solicitações. A tentativa de alegar que existe uma preferência por um setor ou por um determinado motivo é totalmente infundada”.

Foto: Yaakov Naumi (Flash90)

2 thoughts on “Partidos pedem transparência no Comitê de Exceções

Fechado para comentários.