As novas medidas do governo para conter o COVID

O gabinete de coronavírus, reunido ontem, aprovou uma série de novas restrições que entrarão em vigor no domingo, 8 de agosto, depois que o número de casos diários do COVID-19 ultrapassou 3.000 pela primeira vez desde março.

De acordo com as novas regras, as máscaras devem ser usadas ao ar livre para reuniões de 100 pessoas ou mais. O trabalho presencial para funcionários públicos deve ser reduzido para 50%, e o setor privado será incentivado a permitir que os funcionários trabalhem em casa. Os cuidadores vacinados de crianças infectadas com menos de 12 anos devem se isolar.

O governo também concordou em expandir o sistema de Passaporte Verde para todas as reuniões a partir de 20 de agosto – não apenas aquelas com mais de 100 pessoas, como é atualmente – e restringir o acesso a locais públicos para crianças não vacinadas.

O gabinete decidiu que as crianças também precisam ser testadas para entrar nos locais. Esta regra também só entrará em vigor em 20 de agosto, para dar tempo para configurar um sistema de teste rápido.

Está prevista a divulgação de uma campanha do governo para incentivar os israelenses a pararem de “apertar as mãos, abraçar, beijar e evitar qualquer reunião dentro de casa que não seja essencial. Também irá encorajar as pessoas com mais de 60 anos a evitar reuniões ou ficar na mesma sala com não vacinados.

Durante a reunião, o primeiro-ministro Naftali Bennett disse que as restrições precisarão ser reforçadas se o ritmo das vacinações não aumentar, informou o Walla.

LEIA TAMBÉM

A ministra do Interior, Ayelet Shaked, afirmou que “a única maneira” de Israel evitar um quarto bloqueio nacional é vacinar um milhão de pessoas em uma semana, de acordo com as notícias do Canal 12.

Além disso, o Ministério da Saúde está tentando adiar o início do ano letivo previsto para 1º de setembro em meio a preocupações com o aumento dos casos de coronavírus, relatou a Kan News.

O Canal 12 disse que o objetivo da mudança proposta era atrasar um potencial surto entre os alunos na volta às salas de aula, e observou que haverá poucos dias letivos no próximo mês de qualquer maneira devido aos feriados de Rosh Hashaná e Yom Kipur.

Antes da reunião do gabinete do coronavírus, o Comitê de Trabalho, Saúde e Bem-Estar da Knesset aprovou o pedido do Ministério da Saúde para adicionar mais 18 países à lista de destinos dos quais todos os retornados deverão ficar em quarentena domiciliar de 14 dias ou sete dias e dois testes negativos. Foram incluídos Ucrânia, Itália, Islândia, Essuatíni (anteriormente conhecido como Suazilândia), Estados Unidos, Botswana, Bulgária, Alemanha, Holanda, Tanzânia, Grécia, Malawi, Egito, República Tcheca, França, Cuba, Ruanda e Tunísia.

As mesmas regras de quarentena se aplicam aos israelenses que voltam de países para os quais são proibidos de visitar (Argentina, Bielo-Rússia, Brasil, Chipre, Geórgia, Grã-Bretanha, Índia, Quirguistão, México, Rússia, Espanha, África do Sul, Turquia e Uzbequistão). Os repatriados que deixaram Israel, sem autorização do Comitê de Exceções, depois que a proibição entrou em vigor, também devem pagar uma multa de NIS 5.000 (US$ 1.500).

Fonte: The Times of Israel
Foto: Reinhold MöllerCC BY-SA 4.0, via Wikimedia Commons

One thought on “As novas medidas do governo para conter o COVID

Fechado para comentários.