Autoridades de saúde pedem por mais restrições

Autoridades de saúde defenderam a expansão significativa das restrições do COVID para conter a rápida disseminação da variante Omicron, durante uma reunião na noite de segunda-feira com o primeiro-ministro Naftali Bennett, que terminou sem nenhuma decisão sobre o assunto.

As autoridades se reunirão novamente nesta terça-feira para chegar a decisões sobre novas regras, de acordo com um comunicado do gabinete do primeiro-ministro, enquanto Israel se prepara para o que deve ser uma grande onda de novos casos da nova cepa que se espalha rapidamente.

O comunicado disse que as autoridades analisaram várias opções para impedir a propagação da variante, incluindo limites para reuniões, expansão da exigência do Passaporte Verde (prova de vacinação ou recuperação de COVID-19) para todo o comércio e fim dos subsídios para testes de antígenos para crianças não vacinadas.

Reportagens da mídia israelense disseram que durante a reunião, funcionários do Ministério da Saúde propuseram a imposição de restrições significativas para grandes multidões e a expansão do Passaporte Verde.

Não estava claro qual era a posição de Bennett sobre as duas questões.

O Ministro da Saúde, Nitzan Horowitz, exigiu que quaisquer novas restrições fossem condicionadas ao fornecimento de compensação às empresas.

LEIA TAMBÉM

O Ministério das Finanças também expressou forte oposição à restrição de reuniões, que afirma prejudicar significativamente a economia israelense, de acordo com a TV Kan.

Além disso, Bennett propôs que crianças não vacinadas fossem mantidas fora das escolas, enquanto aquelas que foram vacinadas poderiam continuar a frequentar as instituições educacionais, disse o Canal 12.

O primeiro-ministro teria sugerido que crianças de 5 anos ou mais que são elegíveis para a vacinação, mas não foram vacinadas, sejam impedidas de entrar nas instalações da escola e obrigadas a estudar via Zoom.

O canal disse que as autoridades de saúde chamaram a proposta de “particularmente extrema” e observou que não estava claro se tal proposta teria o apoio de uma maioria no dos ministros do gabinete do coronavírus encarregado de liderar a política governamental sobre a pandemia.

O comunicado disse que eles discutiram o fim dos pagamentos do estado para os testes de antígeno que as crianças não vacinadas precisam mostrar para frequentar a escola, um possível incentivo menos extremo para os pais vacinarem seus filhos.

O primeiro-ministro também incentivou os empresários que puderem a manter seus funcionários trabalhando em casa, a fim de reduzir as interações públicas, dizendo que a mesma medida seria tomada no setor público. Ele pediu diligência no uso de máscaras e para evitar reuniões públicas.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Canva

One thought on “Autoridades de saúde pedem por mais restrições

Fechado para comentários.