Bennett estaria ponderando governo com o Likud

O primeiro-ministro, Naftali Bennett, discutiu a possibilidade de estabelecer um governo alternativo com o partido Likud, do líder da oposição Benjamin Netanyahu, durante uma reunião com um de seus assessores políticos em Tel Aviv, na quinta-feira, informou a TV Kan. O partido Yamina de Bennett negou a reportagem.

A coalizão de Bennett está oscilando há semanas, perdendo sua maioria e se encontrando incapaz de aprovar até mesmo uma legislação de rotina. Um governo alternativo poderia ser estabelecido dentro da atual Knesset, sem novas eleições, se outro candidato conseguir reunir a maioria.

Na atual Knesset, Yamina, Likud e o resto do bloco religioso de direita ainda não constituiriam uma maioria de 61 assentos. Bennett discutiu com um conselheiro a possibilidade de envolver outro partido, como o Nova Esperança, de Gideon Sa’ar, em uma possível nova coalizão, informou a Kan, citando fontes políticas.

Tanto Bennett quanto Sa’ar cooperaram anteriormente com Netanyahu, mas se voltaram contra ele e disseram que não se juntariam a ele em um governo durante a campanha eleitoral do ano passado e as negociações de coalizão.

O partido Yamina, de Bennett, disse que ele se encontrou com um conselheiro na quinta-feira, mas negou que tenha discutido qualquer cooperação com o Likud.

O reportagem coincide com o aumento da pressão do Likud sobre Nir Orbach, um membro da Knesset do Yamina que congelou sua participação na coalizão na semana passada. O partido de Netanyahu tem pedido a Orbach que abandone totalmente a coalizão e se junte às suas fileiras. Orbach negou relatos de que estivesse em negociações com o Likud.

LEIA TAMBÉM

A coalizão de Bennett é um conjunto diversificado de partidos de direita, centristas e de esquerda, além do partido islâmico Ra’am. A oposição há muito tenta desmembrar os membros de direita da coalizão, que são ideologicamente próximos da oposição.

Netanyahu cutucou Orbach durante um discurso memorial para as vítimas do desastre de Altalena, na quinta-feira

“Sei que o coração de Orbach está no lugar certo”, disse Netanyahu, segundo a Ynet.

“Sei que Orbach é contra um governo que depende do Conselho Shura da Irmandade Muçulmana”, disse ele, referindo-se ao órgão consultivo de Ra’am. Netanyahu e seus aliados criticaram a coalizão por incluir Ra’am, embora o próprio Netanyahu tenha cortejado o partido antes das eleições do ano passado.

“Eu sei que ele é contra a transferência do controle do país e da economia para Ra’am, a Lista Conjunta e outras forças antissionistas”, acrescentou Netanyahu, referindo-se a outros legisladores árabes na Knesset.

Em seu discurso Netanyahu disse: “Você estava certo quando disse na Knesset em um momento de verdade que o experimento falhou”. Na semana passada, Orbach quase entrou em uma briga física com o legislador do Ra’am Mazen Ghanaim, dizendo: “O experimento com vocês falhou”, em referência à inclusão sem precedentes da coalizão de um partido árabe.

“Esse fracasso já está colocando em risco todo o país, colocando em risco nosso futuro. Neste momento crucial, é necessário agir”, disse Netanyahu.

Autoridades do Likud tentaram entrar em contato com Orbach nos últimos dias para pressioná-lo a abandonar a coalizão, mas ele cortou o contato e não respondeu a eles ou retornou nenhuma ligação, informou Walla.

Acredita-se que ele esteja preocupado com o fato de o Likud não estar interessado em estabelecer um novo governo na Knesset existente, mas sim em forçar eleições, e que ele não tem como garantir que, se o Likud lhe prometer cargos para ingressar no partido, ele realmente os receberá.

O Canal 12 disse na quarta-feira que Orbach estava se aproximando de um acordo com o Likud.

O acordo anunciado colocaria Orbach em 19º lugar na lista eleitoral do partido para a próxima eleição, praticamente garantindo-lhe um lugar na Knesset e um papel ministerial no próximo governo.

Orbach tentou chefiar o Ministério da Educação em um governo liderado pelo Likud, mas o partido se recusou a entregar uma pasta tão significativa, segundo a reportagem. Em vez disso, o Likud prometeu encontrar para ele um emprego ideologicamente rico adequado.

Na segunda-feira, Orbach anunciou que estava congelando sua participação na coalizão, acusando “elementos extremistas e antissionistas”, como os deputados árabes Mazen Ghanaim e Ghaida Rinawie Zoabi de puxar a coalizão “em direções problemáticas” e “mantê-la como refém”.

De acordo com a Kan, a coalizão, agora em minoria na Knesset, teme que Orbach vote a favor de uma moção preliminar para dissolver a Knesset na próxima semana. O projeto de lei precisaria apenas de uma maioria simples na votação preliminar, mas teria que passar mais três leituras com o apoio de 61 ou mais parlamentares para ser bem sucedido.

Ao deixar a coalizão, Orbach se tornou o terceiro membro do Yamina a abandonar Bennett, que ficou com apenas quatro membros do partido na coalizão. Amichai Chikli fugiu antes que o governo tomasse posse, devido à inclusão de partidos de esquerda. Idit Silman, que era o líder da coalizão, deixou a coalizão em abril, dizendo que estava corroendo o caráter judaico do Estado.

Embora Chikli tenha votado regularmente contra a coalizão desde então, Silman tem sido mais cuidadosa, em um aparente esforço para evitar ser designada como rebelde e receber sanções. A declaração de Orbach deu a entender que ele seguirá o último caminho. Ao contrário de Silman, porém, ele informou Bennett de sua decisão com antecedência.

A parlamentar rebelde do Meretz, Rinawi Zoabi, e Ghanaim também votaram contra a coalizão, ajudando a oposição a afundar uma legislação importante, o projeto de lei que estende as disposições legais israelenses aos israelenses que vivem na Samaria e Judeia.

Fonte: The Times of Israel

One thought on “Bennett estaria ponderando governo com o Likud

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.