Bibi apela a rivais que “deixem as diferenças de lado”

Em sua primeira aparição pública desde a inconclusiva eleição, Netanyahu apela para seus dois rivais de direita, o líder do partido Yamina, Naftali Bennett e o chefe do partido Nova Esperança, Gideon Sa’ar, para reunir seus partidos em uma coalizão liderada por seu partido Likud.

Netanyahu exortou os dois líderes a “deixarem nossas diferenças para trás” e “voltarem para casa”.

Sa’ar, um ex-ministro do Likud que deixou o partido para fundar a Nova Esperança, rejeitou imediatamente a oferta, sustentando que não entraria em uma coalizão liderada por Netanyahu.

O partido de Bennett disse que faria o que fosse melhor para os cidadãos de Israel.

Se ambos os partidos aderirem ao Likud e seus aliados religiosos de direita, eles poderiam formar uma coalizão majoritária de 65 cadeiras, pondo fim a anos de turbulência política, observou Netanyahu. Tal governo poderia ser estabelecido imediatamente, continuou o primeiro-ministro, prevendo que qualquer coalizão formada para substituí-lo como primeiro-ministro será de esquerda e cairá rapidamente.

LEIA TAMBÉM

Antes da eleição, Sa’ar e Bennett prometeram substituir Netanyahu como primeiro-ministro. No entanto, os resultados inconclusivos significam que nem Netanyahu nem o bloco de partidos que buscam destituí-lo têm maioria na Knesset.

“No mesmo dia em que ele e seu povo espalharam novamente teorias de conspiração delirantes e falsas sobre mim e o presidente, Netanyahu me aborda para que eu me junte a ele”, tuitou Sa’ar. “Vou cumprir o meu compromisso com os meus eleitores. Não vou aderir e não vou apoiar um governo liderado por Netanyahu. A continuação do mandato de Netanyahu, que prioriza seu benefício pessoal sobre o benefício do país, prejudica Israel”.

O partido Yamina disse em um comunicado que “Bennett continuará a fazer todos os esforços para estabelecer um governo bom e estável que tirará Israel do caos”.

No início do dia, parlamentares do Likud atacaram o presidente Reuven Rivlin, acusando-o de estar em conluio com os rivais do primeiro-ministro, especificamente Sa’ar, depois que o presidente pediu aos vários líderes de partido que se engajassem em “coalizões e colaborações fora do comum que cruzam setores”, a fim de quebrar o longo impasse político.

O presidente deve iniciar as consultas com os partidos políticos na segunda-feira. Na quarta-feira, ele deve incumbir um candidato de formar um governo.

De acordo com uma reportagem do Canal 12, o Likud apresentou uma oferta generosa ao Yamina, em um esforço para persuadir o partido de Bennett a recomendar que Netanyahu seja convocado para formar o próximo governo.

A oferta inclui sete lugares na lista do Likud para todos os sete legisladores do Yamina, o que significa que o partido de Bennett seria efetivamente dissolvido no Likud.

As vagas reservadas estariam prometidas nos próximos dois ciclos eleitorais, após o que os legisladores de Yamina receberiam a promessa de cargos importantes nos governos que se formariam posteriormente, de acordo com o Canal 12.

Sa’ar estava supostamente trabalhando para intermediar uma coalizão que teria Bennett alternando o cargo de primeiro-ministro com Yair Lapid, cujo partido Yesh Atid, com 17 cadeiras, é o segundo maior atrás do Likud, que tem 30 cadeiras. Tal acordo prevê Bennett servindo como primeiro-ministro antes de Lapid.

Tanto Sa’ar quanto Bennett relutavam em apoiar Lapid como primeiro-ministro.

De acordo com uma reportagem do Canal 12, Lapid repassou uma mensagem ao partido Yamina de que está preparado para aceitar um cenário em que Bennett será o primeiro-ministro, desde que ele concorde em prometer que não se juntará a um governo de Netanyahu. A matéria não especifica se Lapid está disposto a dividir o cargo de primeiro-ministro com Bennett ou se este  seria o único primeiro-ministro.

Fonte: The Times of Israel

Foto: Canal 13 (captura de tela)

2 thoughts on “Bibi apela a rivais que “deixem as diferenças de lado”

Fechado para comentários.