Cidade em Israel volta a ficar vermelha

Binyamina, uma cidade perto de Haifa no norte, foi oficialmente rotulada como um local “vermelho”, de acordo com os critérios do COVID do Ministério da Saúde.

A cidade tinha 122 casos de COVID ativos na manhã desta quinta-feira, de acordo com o Ministério da Saúde, com uma taxa de 3 por cento dos testes positivos, em comparação com 0,3% para o país como um todo. Binyamina é atualmente a única localidade vermelha do país, e a primeira a ser designada como tal em vários meses.

Modiin, que tinha 71 casos ativos na manhã de quinta-feira, foi rotulada como “amarela”. Todos as outros cidades do país são consideradas “verdes”.

De acordo com o plano de “semáforo” de Israel, publicado pela primeira vez  em agosto do ano passado, cada cidade recebe uma pontuação entre 0 e 10 com base em vários fatores, incluindo o número de novos casos por 10.000 residentes, a taxa de testes positivos e a taxa de aumento no número de novos pacientes. As cidades e vilas que receberem uma pontuação média de 7,5 ou superior serão definidas como “vermelhas”; a pontuação atual em Binyamina é 8.

No geral, 138 novos casos COVID foram confirmados em Israel na quarta-feira, marcando três dias consecutivos de mais de 100 novos casos diários. O primeiro-ministro Naftali Bennett disse na quarta-feira que, se houver mais de 100 novos casos diários, em média, por um período de uma semana, a obrigação da máscara em locais fechados – que foi suspensa em 15 de junho – retornará. A Dra. Sharon Alroy-Preis, diretora de saúde pública do Ministério da Saúde, disse na quinta-feira que acredita que a obrigatoriedade será restabelecida no domingo.

LEIA TAMBÉM

No início desta semana, 44 crianças em uma escola em Binyamina testaram positivo para COVID e, desde então, o surto se espalhou pela cidade. Na manhã de quinta-feira, 1.107 pessoas na cidade – que tem uma população de cerca de 15.000 – estavam em quarentena devido à exposição a um paciente COVID positivo.

A obrigação do uso de máscaras em locais fechados em Binyamina e Modiin – que também teve um surto nas escolas esta semana – foi reinstaurado no domingo.

Na quarta-feira, o Ministério da Saúde anunciou que as máscaras voltaram a ser obrigatórias em todos os hospitais, lar de idosos, postos de saúde e no aeroporto. O ministério também disse que pode ordenar até mesmo israelenses vacinados ou recuperados – que geralmente estão isentos de quarentena – a ficarem em quarentena domiciliar se souberem que estiveram em contato com um paciente infectado com a variante Delta ou se viajaram em um avião com um paciente positivo para COVID.

De acordo com estatísticas do Ministério da Saúde, 60% dos residentes de Binyamina estão totalmente vacinados e 63% receberam pelo menos uma dose da vacina COVID. Esses números estão um pouco acima da média geral do país, onde cerca de 60% de todos os residentes receberam pelo menos uma dose e 55% estão totalmente vacinados.

Alon Rappaport, diretor médico da Pfizer Israel, disse à Ynet que a vacina Pfizer-BioNTech é eficaz contra a variante Delta.

“A agressividade da variante indiana ainda não é conhecida, mas a vacina também é eficaz contra ela”, disse Rappaport. “Não estamos preocupados e monitoramos constantemente os dados de eficácia da vacina. Contanto que a eficácia da vacina seja alta, provavelmente em taxas de mais de 90%, não achamos que seja necessário atualizá-la”.

Bennett e a ministra do Interior, Ayelet Shaked, concordaram na quinta-feira em reabrir o sistema de rastreamento epidemiológico para identificar as pessoas com as quais um paciente positivo pode ter entrado em contato.

As preocupações em Israel estão aumentando em relação à variante delta ultracontagiosa do COVID, que se acredita ser responsável por cerca de 70% dos novos casos no país.

O primeiro-ministro, que disse que o governo está trabalhando “para cortar” a variante Delta “cedo e decisivamente”, também pediu que todos os jovens de 12 a 15 anos em Israel sejam vacinados o mais rápido possível.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Avshalom Sassoni (Flash90)