BlogsMary KirschbaumÚltimo

Como ser alegre em tempos de guerra

Por Mary Kirschbaum

Em primeiro lugar, por que estou falando de alegria numa época tão difícil e não alegre como esta que estamos passando, em meio a uma guerra e tantas incertezas?

Porque nos aproximamos do mês de Adar, e segundo o Talmud, “Quando chega Adar, nós intensificamos em Júbilo”.

Este mês lunar, conhecido como Adar, é também o mês da boa sorte para o povo judeu. Sua “Mazal” é forte. Purim, o dia festivo de Adar, comemora a “metamorfose” da aparente má sorte para o povo judeu, para boa.

Mesmo em tempos mais difíceis, a sabedoria judaica nos ensina que a alegria pode e deve ser alcançada.

Muitas pessoas acreditam que o objetivo da vida é ser feliz.

O judaísmo acredita na força e na importância da alegria. Esta, sendo uma mitzvá, um mandamento da Torá, principalmente, servir a D’us com alegria.

Quando o rei David quis profetizar, ele pediu que tocassem instrumentos musicais para levantar seu ânimo.

A alegria então é um elemento fundamental do judaísmo, mas a Cabalá ensina, que, se a felicidade constituísse o objetivo da vida, nossa alma não faria a viagem até este mundo, pois seria muito mais feliz no mundo das almas, onde não existem sofrimentos ou preocupações.

Paradoxalmente, só podemos ser alegres, se pudermos trazer a felicidade exatamente nestes momentos de aflição.

Nosso objetivo neste mundo não é a busca pela felicidade, mas sim a nossa missão de trazer felicidade para outras pessoas. É aqui que reside o segredo da verdadeira alegria.

A felicidade, diferentemente da busca pela diversão, é um sentimento interiorizado e bastante forte. Às vezes, consiste em olhar nos olhos da pessoa amada.

No judaísmo, a felicidade não é sinônimo de passividade, como o simples relaxamento de se deitar numa rede, mas se obtêm por meio de luta, da dor e das conquistas alcançadas. É um estado de espírito que nos ajuda a alcançar nossos objetivos, nos enchendo de força e vontade.

Importantíssimo também termos consciência que ser feliz é um sentimento que depende de nós, de nossa mente, nossas atitudes e sentimentos. Não depende de fatores externos ou de estados de espírito alheios.

A felicidade se adquire a partir do momento em que se cria o espaço para que ela cresça e se desenvolva.

A própria palavra “Mashiach”, a personificação da salvação, possui as mesmas letras que a palavra “Simchá”, alegria. Portanto o “Salvador” que habita dentro de nós é a própria alegria, que entendemos que é a expressão da essência da nossa alma.

Intensifiquemos então nossa felicidade, neste mês de Adar, com a chegada de Purim e mudemos nossa Sorte!

Am Israel Chai!

Bring them home now!

Chag Purim Sameach!

One thought on “Como ser alegre em tempos de guerra

  • Alegria

    והיקר, לא לפחד כלל!
    Mary, você me inspirou com este artigo. Purim sameah! Vou tentar fazer jus a meu nome! Alegria Frydman

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo