Fim da exigência de máscaras a partir de sábado

Não haverá mais a exigência de usar máscara em locais fechados, anunciaram nesta quarta-feira o primeiro-ministro Naftali Bennett e o ministro da Saúde Nitzan Horowitz.

A diretiva deverá entrar em vigor a partir de sábado, 23 de abril, às 20h. A iniciativa dos ministros ainda precisa ser aprovada pela Knesset. O Comitê de Saúde da Knesset deve deliberar sobre a questão até 1º de maio e pode reverter a decisão do governo e restaurar a exigência de uso de máscara, no entanto, tal medida é altamente improvável.

No entanto, o uso da máscara ainda será necessária em locais com alto potencial de infecção, como hospitais, asilos e voos. Uma pessoa a caminho de entrar em quarentena também será obrigada a usar uma máscara.

“Finalmente aprendemos a viver ao lado do coronavírus, sem pânico, com responsabilidade e bom senso”, escreveu Horowitz no Twitter.

“O coronavírus não desapareceu, mas atualmente não são necessárias restrições especiais. Estamos agindo como temos feito desde o estabelecimento deste governo: salvaguardando a saúde do público enquanto suspendemos as restrições quando possível”, acrescentou.

“Nossa política se provou eficaz e continuaremos assim”, acrescentou Horowitz. “O Ministério da Saúde está monitorando de perto e continuará monitorando rigorosamente o comportamento do vírus e quaisquer novas variantes”.

LEIA TAMBÉM

O professor Hagai Levine, presidente da Associação de Saúde Pública e Medicina Comunitária, disse ao The Jerusalem Post: “Ainda não superamos o COVID-19. Não estamos de volta em 2019, quando a pandemia começou. Passamos para uma nova etapa, mas não terminamos com ela. A decisão do governo não significa o fim da recomendação de uso de máscaras, mas apenas da obrigatoriedade”.

De acordo com as últimas estatísticas, 4.041.000 israelenses foram infectados com o vírus e 3.940.000 se recuperaram. Um total de 10.650 morreram de suas complicações. Ainda há pacientes gravemente doentes e mortes.

“A decisão do primeiro-ministro e do ministro da Saúde é um passo importante no caminho para o retorno ao normal e é uma conclusão inevitável com base nos números de infecção”, disse o presidente da Comissão de Constituição, Lei e Justiça da Knesset, deputado Gilad Kariv.

Fonte: The Jerusalem Post
Foto: Canva