Quarta dose reduz taxa de mortalidade por COVID

A quarta dose da vacina contra o coronavírus resultou em uma redução de 78% no número de mortes relacionadas ao COVID-19 em adultos de 60 a 100 anos, segundo um novo estudo da Clalit Health Services.

O estudo, realizado pela Clalit, Sapir College e Universidade Ben-Gurion, examinou o efeito da segunda dose de reforço nas taxas de mortalidade da população elegível para recebê-la em Israel. A pesquisa foi liderada pelo Dr. Ronen Arbel, pesquisador na área de saúde da Clalit e Sapir College. O artigo está atualmente aguardando revisão por pares.

Na época de sua introdução, a quarta dose era controversa devido à falta de evidências epidemiológicas e clínicas em larga escala sobre a eficácia de um segundo reforço. Como resultado, a adesão das populações elegíveis foi significativamente menor do que no início da primeira distribuição de reforço.

No entanto, os autores do estudo esperam que, com a divulgação das novas informações do estudo, mostrando que a quarta vacina reduziu significativamente as mortes relacionadas ao COVID-19, as pessoas que hesitaram até agora decidam tomar a segunda dose de reforço.

Os pesquisadores examinaram dados de todos os 563.465 membros da Clalit elegíveis para a quarta dose. A idade média dos participantes foi de 73 anos e 53% dos participantes eram do sexo feminino.

A população do estudo foi dividida em dois grupos: os que receberam uma segunda dose de reforço e os que receberam apenas a primeira.

LEIA TAMBÉM

Os participantes só foram agrupados na categoria “segundo reforço” se tivessem passado pelo menos sete dias desde o recebimento da dose. Os participantes que contraíram o vírus dentro de sete dias após o recebimento do segundo reforço foram excluídos do estudo.

Do número total de pessoas contadas no estudo, 58% (328.597) receberam a segunda dose de reforço no período de 40 dias entre 10 de janeiro e 20 de fevereiro de 2022, quando a pesquisa foi realizada. Os pesquisadores observaram que a aceitação foi notavelmente maior entre os participantes com um status socioeconômico mais alto, mas menor nas populações ultraortodoxas e árabes.

Durante o período mencionado acima, o grupo de pesquisa registrou um total de 232 mortes relacionadas ao coronavírus em pessoas que receberam apenas o primeiro reforço, mas apenas 92 mortes nos participantes que receberam o segundo reforço também.

Das 92 mortes registradas em participantes que foram vacinados quatro vezes, cinco ocorreram em pessoas de 60 a 69 anos, 22 foram em pessoas de 70 a 79 anos e 65 mortes por COVID-19 foram registradas em pessoas de 80 a 100 anos. Entre os participantes que receberam apenas três vacinas, 32 mortes relacionadas ao COVID-19 ocorreram em pessoas de 60 a 69 anos, 51 em pessoas de 70 a 79 e 149 em pessoas de 80 a 100 anos.

A partir dos resultados, os pesquisadores concluíram que entre a população mais velha que recebeu uma primeira dose de reforço pelo menos quatro meses antes do estudo, a mortalidade devido à variante Omicron foi significativamente menor entre aqueles que receberam uma dose de reforço adicional.

Falando ao The Jerusalem Post, Arbel explicou que o objetivo do estudo era aumentar a aceitação do segundo reforço na população de mais de 60 anos de Israel, bem como incentivar outros países a implementar o uso de uma vacina adicional em populações vulneráveis.

“O objetivo do segundo reforço, e da política agora, é reduzir internações e infecções”, explicou. “Nosso objetivo é reduzir doenças graves e mortalidade em pessoas acima de 60 anos.

“A principal conclusão é que o segundo reforço salva vidas”, disse Ronen Arbel.

Fontes: The Jerusalem Post e Ynet
Foto: Canva

One thought on “Quarta dose reduz taxa de mortalidade por COVID

Fechado para comentários.