Fundador da ZAKA acusado de abuso sexual

Yehuda Meshi-Zahav fundador da Zaka, uma organização de equipes de resgates em situações de emergência em Israel, abandonou a organização, desistiu do prestigioso Prêmio de Israel para o qual havia sido indicado este ano, enquanto a polícia investiga alegações de abuso sexual.

As alegações vieram à tona em uma reportagem investigativa no jornal Haaretz na noite de quinta-feira. Em uma carta aos voluntários da ZAKA, Meshi-Zahav repetiu sua negação das alegações “infundadas” e “difamatórias” e lamentou o dano potencial à organização que fundou e dirige há décadas.

Segundo a matéria investigativa, as denúncias contra Zahav foram feitas por homens e mulheres, alguns dos quais eram menores na época dos supostos eventos. Segundo o relatório ele aproveitou seu status, poder, dinheiro e até mesmo a organização que dirige para cometer agressão sexual.

Fundado em 1989, a ZAKA é um dos grupos de resposta a emergências mais conhecidos de Israel e respondeu a vários desastres inclusive em outros países. Além de fornecer serviços de resposta a emergências e auxiliar nas operações de busca e resgate, a ZAKA também ajuda na tarefa de encontrar e identificar partes do corpo após ataques terroristas, acidentes aéreos e outros desastres.

LEIA TAMBÉM

A chefe do partido trabalhista, Merav Michaeli, também pediu para “congelar” o prêmio de Meshi-Zahav até que a investigação policial seja concluída.

Tamar Zandberg, do Meretz disse que os testemunhos contra Meshi-Zahav foram “nauseantes” e que ele foi “revelado como um predador cruel que certamente não é digno do Prêmio Israel”.

ONGs de apoio a vítimas de abuso sexual estão envolvidas nas denúncias do abuso e pedem investigação completa do caso.

A polícia está investigando as acusações e ouvindo todas as supostas vítimas.

Fonte: Times of Israel

Foto: UK in Israel (Wikimedia Commons)

2 thoughts on “Fundador da ZAKA acusado de abuso sexual

  • 13 de março de 2021 em 20:53
    Permalink

    Verdadeira tragédia. Um homem admirado, considerado um herói nacional, pede absolutamente todo o respeito, toda a simpatia num piscar de olhos. Não sei se é culpado – mas sua desistência do prêmio de maior prestígio no país não é um bom indicador. Provavelmente ele saiba o que lhe espera.
    A tragédia é ver seres antes considerados ilibadis caírem na sargenta por seus próprios aros vergonhosos.

  • 13 de março de 2021 em 22:40
    Permalink

    O poder às vezes desperta as mentes doentias a cometerem barbaridades inomináveis.

Fechado para comentários.

%d blogueiros gostam disto: