Gabinete aprova reabertura de lojas de rua no domingo

O “gabinete do coronavírus” de Israel, encarregado de avaliar as decisões do governo para combater a pandemia COVID-19, se reuniu na quarta-feira para determinar se as lojas de rua podem abrir conforme planejado no domingo, apesar do aumento recente na morbidade. Por fim, os ministros deram sinal verde para a reabertura, aguardando a aprovação final do Parlamento, marcada para hoje, quinta-feira.

“Os proprietários de pequenas empresas estão na linha de frente da luta econômica pelo coronavírus e pagaram preços muito altos devido às restrições impostas”, tuitou o ministro das Finanças, Israel Katz. “Temos o compromisso de fazer todo o possível para que eles voltem ao trabalho. Estou convencido de que os empresários e seus funcionários seguirão as diretrizes”, acrescentou.

As diretrizes devem incluir que os estabelecimentos não podem receber mais de quatro clientes ao mesmo tempo.

No início do encontro, o “czar do coronavírus”, prof. Roni Gamzu, disse que há menos pessoas usando máscaras do que antes e recomendou a aplicação de multas com câmeras na rua para monitorar o público. O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu disse não ter certeza da legalidade da mudança, mas que ela deveria ser investigada.

LEIA TAMBÉM

Gamzu também se concentrou no grande número de casos de coronavírus que a Autoridade Palestina está trazendo para Israel e pediu ao governo que impeça os israelenses de viajar de e para esses territórios, além de pedir que eles considerem testar 5.000 trabalhadores palestinos que entram em Israel todos os dias.

No entanto, a maior parte da discussão centrou-se nas lojas de rua. À luz do aumento nos casos de infecção, o ministro da Saúde, Yuli Edelstein, disse que se opõe à medida – uma posição que foi apoiada por outros ministros. Outros, como o Ministro da Segurança Pública Amir Ohana, a Ministra dos Transportes Miri Regev e o Ministro do Interior Arye Deri, disseram achar que essas lojas deveriam abrir.

“Se estabelecermos seis etapas para a abertura, o Ministério da Saúde deve cumpri-las”, disse o ministro das Finanças, Israel Katz, que esperava que as lojas abrissem já na semana passada. “O Ministério da Saúde deve cumprir o que foi decidido: lojas no domingo e shopping centers uma semana depois”, retrucou.

Os ministros consideraram várias opções, desde deixar as lojas fechadas, abri-las, abri-las apenas em áreas verdes e abri-las em condições especiais, como limitar o número de clientes.

O Ministério da Saúde alegou que a abertura das lojas no domingo poderia causar um atraso na terceira etapa da estratégia de saída, que está prevista para começar em 15 de novembro. Essa etapa inclui os shoppings e também a volta dos alunos da quinta, sexta, décima primeira e da décima segunda série para as aulas.

No início do dia, Katz e o Ministro da Educação Yoav Gallant discutiram com mais de 150 chefes de autoridades locais sobre os próximos passos a serem dados para lidar com a pandemia de coronavírus e suas implicações para o sistema educacional.

Como parte do esquema proposto, a primeira e a segunda séries voltariam às aulas em capacidade total (sem cápsulas) e a quinta e sexta séries voltariam às aulas entre 15 e 17 de novembro. Os Ministérios da Educação e da Saúde estabeleceriam uma unidade de teste móvel que viajaria entre as escolas para testar os professores.

Gallant e a Ministra da Imigração e Absorção, Pnina Tamano-Shata, também revelaram um segundo plano que permitiria às crianças imigrantes aprender em pequenos grupos nas salas de aula. Os ministros disseram que milhares de estudantes recém-imigrados não conseguiam suportar as aulas de hebraico à distância. “Nenhuma menina ou menino deve ser deixado para trás”, disse Tamano-Shata.

Aumento do número de casos

Houve um aumento da morbidade nos últimos dias. O chefe do Conselho de Segurança Nacional, Meir Ben-Shabbat, disse no início da reunião que a tendência de queda parou e que cerca de 2% de todas as pessoas testadas têm resultado positivo. “Se na discussão anterior eu disse que a taxa de reprodução era de 0,69, hoje é de 0,88”, disse.

Na terça-feira, ocorreram 831 novos casos de coronavírus em Israel, anunciou o Ministério da Saúde na manhã de quarta-feira.

O Ministério da Saúde informou que foram realizados 40.832 exames, dos quais cerca de 2% foram positivos.

Além disso, na quarta-feira, o Comitê de Constituição, Lei e Justiça do Knesset aprovou a “Lei da Ilha” em sua segunda e terceira leituras, apesar das objeções do Ministério da Saúde. A lei permitirá que o governo declare as cidades como “cidades verdes” para fins turísticos.

Este projeto de lei se baseia na decisão anterior de tornar Eilat e a área do Mar Morto uma “ilha de turismo verde”. De acordo com o esquema, o gabinete do coronavírus poderá declarar a cidade de Eilat e o complexo hoteleiro ao redor do Mar Morto como “áreas turísticas especiais”.

A entrada em áreas verdes de turismo, que abrigam cerca de 30% dos quartos de hotel do país, estará condicionada à apresentação de um teste de coronavírus negativo atualizado. O esquema vai permitir a abertura de hotéis no local, respeitando as diretrizes de distanciamento do Ministério da Saúde.

Fonte: Agência AJN

Foto: Anrita1705 por Pixabay

2 thoughts on “Gabinete aprova reabertura de lojas de rua no domingo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *