Israel avança plano antirracismo nas escolas

Depois de mais de uma década, o Ministério da Educação está promovendo atividades obrigatórias de prevenção ao racismo nas escolas.

O Ministério da Educação estabeleceu um comitê que formulará recomendações que obrigarão todas as escolas a agir para prevenir o racismo e promover a tolerância entre os diversos setores da sociedade israelense, após mais de uma década sem atuar sobre o tema de forma sistemática.

O comitê se reuniu pela primeira vez há um mês, mas o ministério anunciou sua criação apenas na semana passada, em resposta a uma petição apresentada ao Supremo Tribunal sobre o assunto.

O comitê deve formular suas conclusões finais até junho. A Controladoria do Estado divulgou no ano passado um relatório informando que o ministério não agiu adequadamente para avançar na questão e não adotou as conclusões do relatório anterior publicado em 2016.

O relatório de 2021 revisou uma série de programas de educação contra o racismo e a promoção da tolerância entre vários setores da sociedade israelense, que foram colocados na mesa dos diretores-gerais do Ministério da Educação na última década, mas não foram implementados nas escolas.

Embora algumas escolas tenham vários programas de encontro entre judeus e árabes e entre seculares e religiosos, em outras escolas não há referência ao assunto e isso está sujeito à vontade dos diretores.

LEIA TAMBÉM

A Comissão de Educação para a Vida em Parceria e Prevenção do Racismo pretende mapear todos os programas em andamento e formular recomendações para serem assimiladas de forma mais ordenada e abrangente no sistema educacional. No final de março, o comitê apresentará conclusões provisórias.

Além dos trabalhos da comissão, o Ministério da Educação lançou uma audiência pública na qual organizações da sociedade civil, representantes do governo local, pais, alunos e público em geral foram convidados a apresentar sua posição sobre o tema.

A atual comissão é chefiada por Avi Ganon, Diretor-Geral Adjunto do Ministério da Educação, e os seus membros são representantes do Ministério da Educação e professores e educadores. A ministra da Educação, Yifat Shasha Bitton, disse: “Viver em parceria faz parte do nosso tecido de vida. Nos últimos anos, testemunhamos o aprofundamento das divisões, e nosso papel no sistema educacional é conectar, fortalecer e aprofundar e acabar com a divisão, discriminação e exclusão”.

Fonte: Haaretz
Foto: Revista Bras.il