Pesquisa mostra oposição ao casamento civil

Uma pesquisa realizada pelo Instituto “Midgam”, sobre a proposta de Benny Gantz que garantiria o casamento civil em Israel, revelou que a maioria da população se opõe à proposta, preocupada com a perda do caráter judaico do Estado.

A crise do Corona levou o presidente do Azul e Branco a tentar legislar sobre o casamento civil em Israel, já que casais que iam se casar no exterior não podem fazê-lo devido ao “fechamento do céu”.

Em Israel não existe casamento civil, só são reconhecidas as uniões religiosas. Por esse motivo, casais que não podem ou não querem se casar por meio do Rabinato, normalmente se casam no exterior e, ao retornar a Israel, são registrados como casados pelas autoridades israelenses.

De todos os participantes da pesquisa, 46,2%  acreditam que o casamento civil levará a infiltrados entrando no Estado de Israel por casamento fictício e prejudicará a maioria judaica no país (32,9% “concordam fortemente com esta afirmação” e 13,3% “concordam com a afirmação”). Em contrapartida, apenas 33,5% escolheram respostas que não concordam ou não concordam em tudo no que diz respeito a esta afirmação (das quais “não concordo em absoluto” 19% e “discordo” 14,5%).

LEIA TAMBÉM

Em outra questão que discutiu a alegação de que o reconhecimento do casamento entre judeus e membros de outras religiões põe em risco a maioria judaica no Estado de Israel, também há uma opinião clara: 43% de todos os participantes da pesquisa acreditam que o reconhecimento do casamento entre judeus e outras religiões põe em perigo a maioria judaica em Israel (30,1% concordam fortemente com esta afirmação, e 12,9% concordam com a afirmação). Em contrapartida, 37,7% dos participantes da pesquisa escolheram a resposta: não concordo com a afirmação acima (destes 24,2% não concorda em absoluto e 13,5% discorda).

Outra pergunta feita na pesquisa: Se os casamentos civis forem aprovados em Israel, a taxa de assimilação (casamentos de judeus com não-judeus) pode aumentar. A este respeito, você apoiaria ou se oporia a um casamento civil?

77,5% por cento dos religiosos responderam que se oporiam à aplicação do casamento civil em Israel se isso causasse um aumento na taxa de assimilação, em comparação com 4,2% que responderam que o apoiariam. Também entre os tradicionalistas há forte oposição à introdução do casamento civil em Israel se eles aumentarem a taxa de assimilação: 46,8% dos tradicionalistas responderam que se oporiam ao casamento civil em tal situação, enquanto apenas 36,7% o apoiariam.

A última questão lidava com o argumento de que se um casamento civil for aprovado em Israel, pode haver alguns que sentirão uma divisão no povo judeu. A este respeito, perguntou-se aos participantes se eles apoiariam ou se oporiam a um casamento civil.

Em resposta a esta pergunta, uma esmagadora maioria do público religioso, 83,1%, disse que se opõe ao casamento civil na medida em que cria um sentimento de ruptura no povo judeu. Mesmo entre o público tradicional, uma maioria de 50,1% se opõe ao casamento civil na situação descrita acima.

A pesquisa realizada pelo Instituto Migdam, encomendada pela organização Chotam. Não foram divulgadas informações sobre a metodologia utilizada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *