Knesset debate lei, sem maioria para a coalizão

O ministro da Justiça, Gideon Sa’ar, advertiu sobre as consequências da não aprovação da renovação da lei que dá a Israel jurisdição legal sobre os habitantes das comunidades judaicas na Judeia e Samaria, insistindo que o projeto será votado hoje, apesar de a coalizão parecer não ter maioria.

Ele criticou a recusa do líder da oposição, Benjamin Netanyahu, em voltar ao projeto de lei como “um golpe no coração do interesse nacional”.

Ele também disse, durante uma reunião de seu partido Nova Esperança, que todos os membros da coalizão devem apoiar o projeto de lei, rotulando qualquer um que se recuse a fazê-lo de uma “oposição dentro da coalizão”.

“Um membro da Knesset na coalizão que não apoia uma lei tão fundamental está trabalhando ativamente para dissolvê-la”, acrescentou. “Um país não pode ser governado assim”.

O ministro da Defesa, Benny Gantz, disse que instruiu o sistema de segurança a avaliar possíveis soluções alternativas se a coalizão não conseguir renovar a medida que estende a lei criminal israelense e algumas leis civis aos israelenses na região da Samaria e Judeia.

Em uma reunião de seu partido Azul e Branco, Gantz disse que uma opção é fazer com que o principal comandante militar da região emita uma portaria para aplicar algumas partes da lei criminal e civil israelense aos habitantes.

“Instruí o sistema de segurança a mapear e examinar quais das regulamentações podem ser aplicadas como diretrizes pelo comandante regional, caso a legislação seja atrasada”, diz Gantz.

Isso inclui medidas como pedir ao comandante regional que aprove a extensão da previdência social aos israelenses que vivem na região, uma situação que Gantz chamou de “ridícula”.

LEIA TAMBÉM

Apesar de enfrentar um desafio determinado da oposição para bloquear a lei, não está claro se a coalizão conseguirá reunir toda a sua força para votar a favor do projeto. Ghaida Rinawie Zoabi, do Meretz, teria dito que ela não votará a favor da medida e o partido islâmico Ra’am continua sendo um ponto de interrogação.

“Estou ciente das dificuldades dos elementos de esquerda”, disse o ministro da Defesa, acenando para Rinawie Zoabi e seus colegas do Meretz, vários dos quais dizem se opor à lei, mas votarão com a coalizão.

Gantz pediu a todos os membros da coalizão que “votem a favor” do projeto de lei para preservar “o status quo”, acrescentando que “é nosso dever agir com responsabilidade, permitir a preservação da lei e da ordem e não permitir o caos que transformaria a Judeia e Samaria em um faroeste”.

A deputada do Yamina, Idit Silman, que renunciou à coalizão recentemente, está tentando convencer Mazen Ghanaim do partido islâmico Ra’am a votar contra o projeto, de acordo com o Canal 12.

Mazen Ghanaim disse ao jornal Haaretz que votará contra o projeto de lei, prejudicando ainda mais as chances da coalizão aprovar a medida. “Eu não precisei pensar muito sobre isso e ninguém me influencia”, disse ele.

No entanto, o líder do Ra’am, Mansour Abbas, disse ao jornal que “ainda estamos em deliberações” e nada é definitivo.

A rede relata que Silman disse a Ghanaim que ela vai votar contra o projeto de lei e ele também deveria, dizendo o projeto que não passará mesmo com seu apoio.

Fontes da coalizão acreditam que o ministro da Justiça, Gideon Sa’ar, não tentará derrubar o governo se a lei que estende a lei civil e criminal aos israelenses na Judeia e Samaria não for aprovada, segundo o jornal Haaretz.

As fontes disseram ao jornal que, se a medida não conseguir obter apoio suficiente ainda hoje, eles continuarão a levar o projeto para votação até que seja aprovado.

Fonte: The Times of Israel
Foto: FlickrCC BY-NC-SA 2.0

One thought on “Knesset debate lei, sem maioria para a coalizão

Fechado para comentários.