Liberman recorre aos EUA para baixar custo de vida

O ministro das Finanças, Avigdor Liberman, pediu às autoridades comerciais dos EUA e da Europa que reprimam o que ele descreveu como práticas injustas e anticompetitivas de produtores que importam mercadorias para Israel, acusando-os de contribuir para o alto custo de vida do país.

Em uma carta para a presidente da Comissão Federal de Comércio dos EUA, Lina M. Khan, publicada pelo canal 12 israelense, Liberman acusou produtores nos Estados Unidos e na Europa de fazer acordos com um único importador oficial para definir preços de sua escolha, criando dificuldades para que outros importadores possam entrar no mercado e competir.

Na carta, Liberman disse que as autoridades antitruste em Israel e nos EUA deveriam cooperar mais estreitamente e compartilhar informações para “proteger os consumidores de preços e práticas de distribuição desleais”.

Ele também disse que as autoridades devem trabalhar “em sintonia para garantir que a lei de concorrência seja aplicada a exportadores e importadores” em ambos os países, para que os consumidores em Israel e nos EUA possam “desfrutar dos frutos da concorrência livre e justa”.

Liberman propôs uma iniciativa que estabeleceria uma “estrutura multilateral que rege a competição entre países e blocos comerciais”.

O ministro das Finanças abordou especificamente as práticas desleais que são impostas aos “importadores paralelos”, onde varejistas e novos importadores podem comprar produtos diretamente de produtores originais no exterior, em vez de fazê-lo através do importador principal.

No entanto, atualmente, esses importadores estão sujeitos a mais burocracia e procedimentos alfandegários onerosos que podem dificultar a concorrência, como na indústria automobilística.

LEIA TAMBÉM

“Esses importadores paralelos enfrentam desafios indevidos ao trazer produtos de consumo para o mercado israelense”, escreveu ele, acrescentando que esses desafios “contribuíram para restrições à concorrência no mercado israelense e colocaram o consumidor israelense em desvantagem”.

O governo de Israel tem lutado para combater o aumento do custo de vida, e o pedido de Liberman é apenas uma das várias soluções buscadas ao longo dos anos.

O Ministério da Fazenda, sob sua liderança, tem relaxado os controles e regulamentações de importação que aumentam os custos.

Na quinta-feira passada, o líder da oposição, Benjamin Netanyahu, apresentou um “plano de emergência” para abordar a questão em um vídeo de 17 minutos, que girava principalmente em torno da redução de impostos e tarifas.

A Diplomat, uma destacada importadora, divulgou um comunicado há mais de uma semana dizendo que suspenderia os aumentos de preços em todos os seus produtos, que chegariam a até 16 % em alguns itens.

Na semana passada, enquanto o preço da gasolina caiu, a eletricidade disparou 8,6%, enquanto os laticínios subsidiados pelo Estado, incluindo leite e queijo amarelo, aumentaram 4,9%.

Além disso, entrou em vigor um novo plano de pagamento de transporte público que reduziu os preços para alguns, aumentou os preços para outros e tornou todos os transportes gratuitos para maiores de 75 anos.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Wikimedia e Canva

One thought on “Liberman recorre aos EUA para baixar custo de vida

Fechado para comentários.