Manifestantes exibem lápides na Praça Rabin

Nesta quarta-feira, manifestantes colocaram dezenas de lápides na Praça Rabin, em frente à prefeitura de Tel Aviv, representando empresas que faliram durante a crise do coronavírus.

Regulamentações de saúde rígidas impostas pelo governo, no início deste ano, forçaram muitas empresas a fechar por vários meses, e muitas pequenas empresas em todo o país fecharam suas portas definitivamente, deixando proprietários e funcionários sem trabalho.

“Enquanto o governo está empenhado na sobrevivência política e em disputas mesquinhas, as empresas continuam fechando e dezenas de milhares de israelenses perdem seus meios de subsistência e são lançados no ciclo da pobreza”, disse o Centro de Justiça Social, um grupo de ação social responsável pelas lápides.

De acordo com o grupo, a exposição foi criada “com o objetivo de expressar a situação dos proprietários de negócios em Israel e ilustrar o fracasso do governo em lidar com a situação econômica”.

LEIA TAMBÉM

No auge do bloqueio da primavera imposto por Israel para conter a epidemia de coronavírus, o desemprego atingiu 25%, com um em cada quatro israelenses sem trabalho.

Desde que as restrições começaram a diminuir, em maio, esse número caiu apenas alguns pontos percentuais, com a taxa de desemprego oscilando em torno de 19%.

“As autoridades eleitas estão completamente desconectadas … Os israelenses estão clamando por ajuda real e soluções para a situação econômica”, disse Zohar Carmon, diretor do Centro de Justiça Social.

Carmon disse que os pequenos empresários precisam de uma rede de segurança e de algumas soluções mais eficazes para a crise econômica.

“Na prática, tudo o que é necessário é aprovar um orçamento, colocar a mão no bolso e evitar que dezenas de milhares de israelenses caiam no desemprego. Enquanto eles continuarem a jogar roleta com nossas vidas, este cemitério se expandirá”, disse Carmon.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e o líder do partido Azul e Branco, Benny Gantz chegaram a um acordo de divisão do poder em abril para formar um governo para lidar com a pandemia. Parte de seu pacto de coalizão incluiu um acordo para aprovar um orçamento de dois anos.

Mas Netanyahu insistiu em um orçamento para cobrir apenas o restante de 2020, enquanto Gantz insiste em que o governo honre seu acordo para um orçamento de dois anos.

O desacordo levou o país à beira de um colapso político, mas um acordo firmado no fim de semana atrasou a decisão do orçamento em 100 dias e evitou o retorno às eleições nacionais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *