Medicamento inovador contra o mal de Alzheimer

Uma empresa biofarmacêutica israelense está prestes a iniciar os testes clínicos de uma nova droga considerada como um possível tratamento inovador para a doença de Alzheimer

Michal Schwartz, professor de neuroimunologia do Instituto de Ciências Weizmann e fundador e diretor de ciências do ImmunoBrain Checkpoint (IBC), disse que sua equipe é a primeira a descobrir que o cérebro precisa do sistema imunológico para proteção e reparo.

“A abordagem é revolucionária no sentido de que o Alzheimer e qualquer tipo de demência foram considerados doenças cerebrais por décadas”, disse ele.

O tratamento da empresa com anticorpos, que correlaciona o cérebro com o sistema imunológico, é acompanhado por pesquisas muito extensas.

Há muitos anos, movimentos foram iniciados em todo o mundo para aumentar a conscientização e levantar fundos para pesquisas sobre a doença do sistema nervoso esclerose lateral amiotrófica (ELA), bem como a doença de Alzheimer.

“Há 22 anos venho trabalhando para entender a conexão entre o cérebro e o sistema imunológico”, diz Schwartz. “Portanto, não é uma terapia desenvolvida por acaso ou por tentativa e erro”.

LEIA TAMBÉM

O desenvolvimento deve continuar em breve, com ensaios clínicos, a partir de 2022, que visam modificar o curso da doença de Alzheimer e prevenir sua progressão.

Os testes serão realizados em oito centros diferentes: dois em Amsterdã, capital da Holanda, dois no Reino Unido e quatro em Israel.

O Alzheimer afeta cerca de 50 milhões de pessoas em todo o mundo, cinco milhões apenas nos Estados Unidos e cerca de 150.000 em Israel.

“Nossa ciência tem sido muito influente em todo o mundo”, disse Schwartz, acrescentando que espera permitir que os pacientes continuem a vida sem “maiores perdas de capacidade cognitiva”.

“Sua pesquisa lançou a base para muitos estudos ao redor do mundo que nunca haviam sido considerados antes”.

Fonte: Noticias de Israel
Imagem: Gerd Altmann (Pixabay)