Militares israelenses em alerta máximo

Os militares israelenses aumentaram seu nível de alerta e estão se preparando para uma variedade de cenários violentos e escaladas, após uma série de ataques mortais que ceifaram a vida de 11 pessoas em uma semana.

O chefe do Estado-Maior das FDI, tenente-general Aviv Kohavi, ordenou a “implementação imediata” de uma série de medidas destinadas a esforços de combate ao terrorismo, coleta de inteligência com foco em redes sociais, fortalecimento da prontidão das FDI na arena palestina e muito mais.

As FDI reforçaram várias divisões com 14 batalhões de combate (12 batalhões adicionais na região da Samaria e Judeia e dois na Divisão de Gaza), forças de franco-atiradores, forças especiais e maior capacidade de inteligência e coleta de forças no campo.

Após uma avaliação situacional com o Ministério da Defesa e altos funcionários das FDI, os militares israelenses fornecerão à Polícia de Israel “assistência extensa”, incluindo 15 companhias de tropas de forças especiais, num total de 1.000 soldados, alguns dos quais ajudarão na proteção da fronteira, enquanto outros serão alocados nas principais cidades de acordo com as necessidades da polícia.

As FDI também darão assistência logística conforme necessário para fornecer segurança ao front doméstico. Todos os soldados que tiverem treinamento adequado poderão levar suas armas para casa, disse um comunicado divulgado pelos militares.

Durante a noite de terça-feira, as forças de segurança israelenses realizaram uma série de prisões na região da Samaria e Judeia e mapearam a casa do terrorista Diaa Hamarsheh, autor do ataque mortal em Bnei Brak, em preparação para sua demolição.

LEIA TAMBÉM

Forças do Exército, Shin Bet e Polícia de Israel conduziram uma ampla operação de prisão em toda a área de Nablus, Belém, Kedum, Ramallah, Marda, Yabad e vilarejos ao sul de Belém.

Confrontos eclodiram entre tropas e palestinos durante as prisões.

Pelo menos 20 pessoas, incluindo parentes do terrorista, foram presas em Yabad e interrogadas enquanto os serviços de segurança investigam se ele tinha cúmplices e como ele chegou à posse do rifle M-16 usado no ataque.

De acordo com a emissora pública KAN, o pai de Hamarsheh disse que se tivesse visto algum sinal de alerta de que seu filho estava prestes a cometer um ataque, ele não o deixaria sair de casa. Ele disse que, embora tenha visto vídeos da cena do ataque, inclusive das forças de segurança, “não posso acreditar. Não notei nada de anormal nele, disse ele. Ninguém quer que seu filho morra. Somos pessoas que amam a vida e querem que outras pessoas vivam”.

O ataque ocorreu poucos dias depois que dois árabes-israelenses de Umm el-Fahm abriram fogo na cidade de Hadera, matando dois policiais de fronteira de 19 anos e uma semana depois que um beduíno israelense matou quatro civis em um ataque de esfaqueamento e atropelamento na cidade de Beer Sheva.

As mortes marcam um dos maiores números de vítimas relacionadas ao terrorismo em um período de uma semana desde a segunda intifada, na qual mais de 1.000 vidas foram perdidas entre 2000 e 2005. É também o primeiro desafio de segurança significativo que o primeiro-ministro Naftali Bennett enfrentou desde que assumiu o cargo, em junho passado.

Em uma declaração por vídeo divulgada após o ataque de Bnei Brak, Bennett disse que Israel está “atualmente enfrentando uma nova onda de terrorismo”.

“Depois de um período de silêncio, há uma erupção violenta daqueles que querem nos destruir, aqueles que querem nos ferir a qualquer preço, cujo ódio aos judeus, ao Estado de Israel, os enlouquece. Eles estão preparados para morrer – para que não vivamos em paz”, disse Bennett.

“Este é um grande e complexo desafio para as FDI e a Polícia de Israel que exige que o sistema de segurança seja criativo e que nos adaptemos à nova ameaça e leiamos os sinais indicadores de indivíduos solitários, às vezes sem afiliação a uma organização, e estar no controle no terreno para impedir o terrorismo antes mesmo que aconteça”, explicou. As forças de segurança do Estado de Israel são as melhores do mundo. Estão à altura da tarefa e, como nas ondas anteriores, desta vez vamos prevalecer também”, acrescentou.

“Estou ao lado dos civis e policiais que atiraram nos terroristas em vários locais. Falei com alguns deles e agradeci em nome de todos nós. São heróis de Israel que, graças à sua coragem, salvaram vidas. Enfrentamos um período desafiador. Temos experiência em lidar com o terrorismo, desde o início do sionismo. Eles não nos quebraram na época e não nos quebrarão agora. O segredo de nossa existência é a responsabilidade mútua entre nós e nossa determinação em manter a casa que construímos – a qualquer preço”, explicou ele, concluindo que “cidadãos de Israel, desta vez também prevaleceremos”.

O ministro do Exterior, Yair Lapid, disse que Israel precisa de muito mais policiais em campo “e que garantiremos que isso aconteça”.

Ele pediu aos israelenses que se unam diante desta última onda de terror que, segundo ele, foi projetada não apenas para tirar vidas inocentes, mas para destruir o tecido da sociedade israelense semeando divisão e ódio.

“O propósito do terror não é apenas assassinar inocentes, mas também nos colocar uns contra os outros com ódio e raiva, para que a sociedade israelense seja minada e desmantelada por dentro por meio de uma troca de acusações que levaria à violência interna. Os terroristas querem ver tumultos violentos nas ruas de Israel. Não devemos permitir que terroristas determinem nossas políticas” ou “nos separem por dentro”, disse Lapid.

Fonte: The Jerusalem Post
Foto: FDI

One thought on “Militares israelenses em alerta máximo

Fechado para comentários.