Ministro quer reforma nas conversões

Depois da proposta para reformar a supervisão kosher, o ministro de Assuntos Religiosos, Matan Kahana, tentará aprovar uma reforma no campo das conversões ao judaísmo.

A proposta de Kahane permitiria conversões fora dos auspícios do Rabinato Chefe, autorizando os rabinos municipais a realizar o rito religioso, relatou a emissora Kan.

O trabalho no plano está avançado e pode ser divulgado ao público em duas semanas, disse um assessor de Kahana, Rabino Shai Weizmann.

Atualmente, existem apenas algumas dezenas de rabinos e quatro tribunais de conversão que podem legalmente realizar conversões ao judaísmo em Israel.

Em 2015, o governo revogou a iniciativa  aprovada um ano antes pelo partido Yesh Atid, do agora ministro das Relações Exteriores Yair Lapid, que criou cerca de 30 tribunais compostos por rabinos locais aprovados para realizar conversões. Também cancelou uma medida que permitia que os candidatos à conversão escolhessem seu tribunal de conversão.

A expectativa é que a nova legislação de Kahana siga os mesmos princípios de criação de procedimentos de conversão mais amigáveis ​​e simplificados. Isso provavelmente permitiria aos convertidos em potencial, especialmente parentes de judeus que imigraram da ex-União Soviética, ignorar qualquer rabino estadual que se recusasse a convertê-los e encontrar um rabino que o fizesse.

LEIA TAMBÉM

A Autoridade de Conversão está ligada ao Gabinete do Primeiro Ministro e fornece serviços a cidadãos israelenses ou residentes permanentes em Israel. Seu trabalho é ajudá-los durante o processo de conversão “e trabalhar a partir de um senso de missão nacional e responsabilidade pública”.

O processo de conversão inclui estudos judaicos, encaminhamento para deliberação no tribunal rabínico, aceitação dos mandamentos (mitzvot), circuncisão (para homens), imersão ritual e recebimento do certificado de conversão.

A divulgação da proposta vem logo depois que Kahana apresentou um plano para reformar o setor de certificação casher de Israel, gerando reação do Rabinato Chefe e de legisladores ultraortodoxos.

“O sistema de cashrut do Estado de Israel precisa ser significativamente simplificado”, disse Kahana em um vídeo anunciando as reformas propostas. “A revolução que estou liderando fortalecerá o Rabinato Chefe e criará concorrência que melhorará a cashrut, bem como reduzirá o preço da certificação casher para as empresas”.

O plano divulgado por Kahana estabeleceria uma série de agências privadas de certificação casher que seriam obrigadas a manter os padrões religiosos estabelecidos pelo Rabinato Chefe.

As agências privadas seriam autorizadas a emitir certificações que digam que estão “sob a supervisão do Rabinato”. Cada agência deverá ser chefiada por um rabino certificado pelo rabinato local da cidade. As agências, que também precisarão demonstrar viabilidade financeira, tornarão públicos os padrões religiosos que estão mantendo em sua certificação.

De acordo com o plano, no entanto, se uma agência quiser emitir um certificado com um nível inferior de cashrut do que o Rabinato Chefe, pode fazê-lo com a aprovação de três rabinos aprovados pelo rabinato da cidade e emitir uma certificação diferente, incluindo uma que pode ser dada a restaurantes que abrem no Shabat.

O Rabinato Chefe há muito tem resistido a qualquer reforma em seu monopólio sobre a certificação casher em Israel e o processo de conversão.

O próprio Rabinato Chefe emitiu uma declaração rejeitando o plano de supervisão casher de Kahana, chamando-o de “uma iniciativa perigosa para destruir a cashrut em Israel”. Segundo o rabinato, a proposta “significaria o fim da cashrut no estado e a criação de um ‘bazar’ de grupos com motivos impuros que passariam a distribuir certificados”.

Fontes: The Times of Israel, Jewish Press
Foto: https://www.hakolhayehudi.co.il

One thought on “Ministro quer reforma nas conversões

Fechado para comentários.