Monumento ao Edital de Expulsão erigido em Cartagena

O Conselho da Fundação Hispano-Judaica celebrou o 530º aniversário desde o Decreto de Alhambra de 1492, também conhecido como o Edital de Expulsão, erguendo um monumento no porto de Cartagena, o último lugar da Península Ibérica visto pelos judeus que partiram da Espanha pelo mar.

O governo regional de Múrcia, liderado por seu presidente, Fernando Lopez Mira, e a prefeita de Cartagena Noelia Arroyo, juntamente com David Hatchwell, presidente da Fundação estiveram presentes na inauguração do monumento.

A Fundação Hispano-Judaica encomendou a peça El Abrazo para a Fundação José Sacal como um gesto da nova relação entre os mundos hispânico e judaico. O renomado artista mexicano José Sacal faleceu durante a pandemia de Covid-19 e se orgulhava de sua herança sefardita.

Em 31 de março de 1492, os Reis Católicos da Espanha, Isabel I de Castela e Fernando II de Aragão, assinaram o infame decreto ordenando a expulsão dos judeus praticantes das Coroas de Castela e Aragão e seus territórios e possessões até 31 de julho daquele ano. O decreto foi escrito como uma forma de desconectar os judeus convertidos à força da comunidade judaica.

Aqueles que fugiram pelo mar criaram algumas das comunidades sefarditas mais famosas do Mediterrâneo e além, muitas das quais retornaram à Terra de Israel e criaram comunidades importantes em Safed, Tiberíades e Jerusalém.

“O decreto foi o último golpe de antissemitismo que acabou com uma das mais magníficas comunidades judaicas da diáspora da história”, disse Hatchwell. “O que ocorreu na Península Ibérica nos 500 anos seguintes foi a erradicação cruel e completa de tudo o que está associado ao judaísmo. No entanto, a Espanha está atualmente experimentando um renascimento de sua comunidade judaica”.

LEIA TAMBÉM

O presidente Lopez Mira disse que esta obra singular permite aos espanhóis homenagear “todos aqueles que foram expulsos de suas casas e deixaram suas vidas para trás, mas que, no entanto, nunca desistiram do sonho de voltar”.

O Decreto de Alhambra estava em vigor até a Constituição espanhola de 1869, onde a liberdade de religião foi oficialmente concedida. Ironicamente, o ditador espanhol Francisco Franco, descendente de judeus convertidos, revogou oficialmente o Decreto de Granada em 1969.

Nos últimos anos, a Espanha fez uma série de gestos críticos que incluem o estabelecimento de relações diplomáticas com Israel em 1986, a visita do rei Juan Carlos à sinagoga de Madri, em 1992, e a aprovação da lei de 2015 que dá direito aos descendentes dos sefarditas para obter a cidadania espanhola.

A Fundação Hispano-Judaica foi criada em 2015 com o objetivo de construir pontes de entendimento por meio de programas educacionais e culturais entre os mundos hispânico e judaico. É composto por um conselho de 80 filantropos líderes e um conselho internacional de 20 conselheiros, e possui escritórios na Espanha, Israel, México, Argentina, Panamá, Miami e Nova York. Abrirá um museu de classe mundial em Madri até 2024.

Fonte: Cartagena Atualidad
Foto: Cortesia