OMS diz que Israel viola direitos à saúde

A Organização Mundial da Saúde (OMS) das Nações Unidas realizou uma sessão nesta quarta-feira destacando Israel, que foi condenado em discursos por vários países, incluindo Irã, Síria, Venezuela, Turquia, Líbano e Cuba, por supostamente violar os direitos de saúde da população não judia nas Colinas de Golã.

Por 77 votos a 14, com 36 abstenções, a assembleia da OMS adotou uma resolução apresentada pela Autoridade Palestina e pelas delegações sírias, exigindo que a OMS realizasse o mesmo debate na assembleia do próximo ano e preparasse outro relatório sobre as “Condições de saúde no território palestino ocupado, incluindo Jerusalém Oriental, e no Golã sírio ocupado”.

A resolução foi copatrocinada por países como Cuba, Iraque, Líbia, Paquistão, Catar, Arábia Saudita, Turquia, Venezuela e Iêmen.

Hillel Neuer, diretor executivo do UN Watch, com sede em Genebra, uma organização não governamental independente que monitora a ONU, condenou a “politização cínica da principal agência de saúde do mundo em detrimento do foco na pandemia de COVID-19 e outras prioridades globais de saúde”.

“Dos 28 itens da atual agenda da Assembleia Mundial da Saúde”, disse Neuer, “apenas um se concentrou em um país específico, Israel”.

“Não houve nenhum item da agenda ou resolução sobre nenhum outro país, conflito, guerra civil ou impasse político”, acrescentou.

Nada sobre a Rússia, responsável por mais de 100 ataques à infraestrutura médica ucraniana, conforme verificado pela OMS; nada sobre a Síria, onde hospitais e outras infraestruturas médicas são deliberadamente bombardeados por forças sírias e russas; nada sobre o Afeganistão onde a tomada do Talibã levou ao colapso dos sistemas básicos de saúde; e nada sobre Etiópia, onde mais de cinco milhões de pessoas em Tigray precisam urgentemente de apoio humanitário, incluindo assistência médica, devido ao conflito”, disse Neuer.

LEIA TAMBÉM

A Síria, que no ano passado foi eleita por consenso para o conselho executivo da OMS, acusou Israel de “bombardeio deliberado e sistemático de hospitais, instalações de saúde e pessoal”. A Síria disse que o item visando Israel permanecerá na agenda “enquanto a ocupação permanecer e até que o vírus seja erradicado e os sintomas desapareçam”.

O delegado do Irã afirmou que “como a força moral por trás do movimento sionista é um senso de excepcionalismo, racismo e superioridade, ele só pode se expandir provocando e promovendo guerras e conflitos. O regime israelense é, portanto, uma força desestabilizadora por natureza conforme sua gênese e a força que o sustenta é uma característica indelével e não incidental do sionismo”.

Neuer condenou os comentários inflamatórios e disse que o “ataque a Israel na OMS por alguns dos regimes mais opressores do mundo promoveu a mentira de que Israel está prejudicando os direitos de saúde palestinos. O oposto é verdadeiro”.

“Os regimes que hoje atacaram o Estado judeu estavam projetando: quanto mais opressivos são para seu próprio povo e para suas minorias, mais recorrem a tentar demonizar a única democracia do Oriente Médio”, acusou.

A UN Watch aplaudiu a Holanda e a Áustria por mudarem seus votos de “Abstenção” no ano passado para “Não” este ano. Aqueles que votaram “Não” como no ano passado foram os EUA, Reino Unido, Austrália, Brasil, Camarões, Canadá, Colômbia, República Tcheca, Alemanha, Hungria e Israel.

“No entanto, a minoria de estados membros da UE e outras democracias que votaram a favor da resolução absurda deveriam se envergonhar, incluindo França, Espanha, Suíça, Bélgica, Portugal, Japão, Índia, Irlanda, Nova Zelândia e Luxemburgo”, disse Neuer.

“Esses países agora encorajaram o sequestro contínuo das prioridades mundiais de saúde e o desvio de tempo, dinheiro e recursos preciosos para combater doenças globais, a fim de promover um processo político contra Israel”, alertou.

“Qualquer um que já tenha entrado em um hospital ou clínica israelense sabe que eles fornecem assistência médica de classe mundial a milhares de árabes palestinos, bem como a sírios que fogem de Assad”, acrescentou Neuer.

Ao aprovar a resolução, a assembleia também adotou um relatório da OMS que afirma que as mortes e ferimentos na Faixa de Gaza foram “resultado da violência relacionada à ocupação em 2021”, apesar de Israel ter se retirado de Gaza em 2005.

O relatório afirmou que a maioria dessas mortes e ferimentos ocorreu “durante a escalada militar” da Operação Guardião das Muralhas, em maio de 2021. As organizações terroristas do Hamas e Jihad Islâmica não foram mencionadas.

O relatório da OMS também não reconhece as preocupações de segurança israelense quando pede a Israel para “acabar com o atraso arbitrário” de autorizações para pacientes palestinos e o movimento de ambulâncias e equipes de saúde nos postos de controle.

Fonte: World Israel News
Foto: UN Watch (Captura de tela)