Partido Trabalhista apoiará dissolução do Knesset

O Partido Trabalhista disse na terça-feira que apoiaria um projeto de lei para dissolver o Knesset e convocar eleições antecipadas, em meio a especulações generalizadas de que os israelenses logo voltarão às urnas pela quarta vez em menos de dois anos.

Com o apoio do Partido Trabalhista e de outro pequeno partido da coalizão, Derech Eretz, o destino do projeto de lei agora está nas mãos do partido Kachol Lavan, que supostamente também planeja apoiar a moção.

A moção de censura segue para leitura preliminar na quarta-feira. Ainda precisaria ser aprovado por um comitê do Knesset e então passar mais três votações para dissolver formalmente o governo.

O líder trabalhista, o ministro da Economia Amir Peretz, manteve discussões durante a noite com outro membro do partido Itzik Shmuli e os dois concordaram que deu partido, na coalizão com três legisladores, apoiaria o projeto de lei proposto pela oposição.

“Não é possível continuar a ter um governo em que o mais permanente é a incerteza”, tuitou Peretz.

LEIA TAMBÉM

Peretz disse que “o orçamento do estado foi feito refém pelo primeiro-ministro por causa de considerações pessoais”, mesmo enquanto o país está sendo dominado pela pandemia, que ele descreveu como uma das crises mais sérias que Israel já conheceu.

“Em vez de paralisia constante e acusações mútuas, é melhor dissolver o Knesset e ir às eleições agora”, escreveu ele.

Da mesma forma, o Ministro do Bem-Estar Shmuli twittou que “o primeiro-ministro coloca considerações pessoais e motivos externos em primeiro plano e empurra tudo para o … abismo”.

“Nunca foi um governo dos sonhos, mas concordamos em montá-lo para enfrentar uma das graves crises que aconteceram no país”, escreveu Shmuli. “Não adianta continuar assim. Vamos votar a favor amanhã.”

Pesquisas de opinião recentes previram consistentemente que o Partido Trabalhista cairia abaixo do limite eleitoral se as eleições fossem realizadas.

Na segunda-feira, o ministro das Comunicações, Yoaz Hendel, líder do partido Derech Eretz, disse à Rádio do Exército que seus dois parlamentares na coalizão também apoiarão a medida.

“Só vejo um caminho – ir às eleições”, disse Hendel. “O governo não está funcionando bem o suficiente”.

O partido Kachol Lavan do ministro da Defesa, Benny Gantz, também deve dar o apoio inicial ao projeto, segundo reportagens da TV na noite de segunda-feira.

O canal 13 de notícias disse que a chefe de gabinete de Gantz, Maayan Israeli, falou com o chefe de gabinete de Netanyahu, Asher Ohayon, e disse a ele que Kachol Lavan “votaria a favor da dissolução do Knesset na quarta-feira”.

Isso daria ao projeto o apoio da maioria no Knesset.

O partido Likud do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e o Kachol Lavan estão em desacordo quase desde o início do governo de coalizão em maio, mas os laços entre os dois chegaram ao ponto mais baixo nas últimas semanas, com a aproximação do prazo final para aprovação do orçamento.

A decisão de Gantz acabaria com qualquer esperança que ele tinha de assumir o cargo de primeiro-ministro, como parte do acordo de rotação e colocaria um prego final na coalizão depois de pouco menos de meio ano.

De acordo com notícias do Canal 12, as negociações entre o Likud e o Kachol Lavan para tentar resolver o impasse não levaram a lugar nenhum, embora Gantz tenha deixado em aberto a possibilidade do Likud oferecer um acordo para evitar eleições antecipadas.

Fonte não revelada disse que os membros seniores do Kachol Lavan são a favor da dissolução da coalizão e que Gantz provavelmente seguirá o exemplo e anunciará a decisão em uma entrevista coletiva na terça à noite ou na quarta pela manhã.

Enquanto isso, a emissora pública Kan alegou que uma decisão final não foi tomada e relatou que durante uma reunião do Kachol Lavan, alguns membros do partido pressionaram Gantz a pelo menos apoiá-los na votação preliminar como meio de pressionar o Likud.

O Canal 12 disse que um pré-requisito para qualquer compromisso com o Likud seria uma legislação obrigando o Likud a honrar o acordo de coalizão de divisão de poder, segundo o qual Gantz deve se tornar primeiro-ministro em novembro de 2021, e fechar uma brecha atual que permite que Netanyahu continue primeiro se o governo cair devido a não aprovação do orçamento do estado.

Ele disse que o Likud, por outro lado, não se contentaria com menos do que tirar Avi Nissenkorn do Kachol Lavan de sua posição atual como ministro da Justiça.

Gantz, na segunda-feira, ordenou que seu partido preparasse propostas para uma série de leis contenciosas que não têm o apoio da coalizão, em um movimento que pode prejudicar ainda mais a coalizão.

O anúncio do Kachol Lavan disse que Gantz instruiu o partido a apresentar três propostas legislativas destinadas a promover direitos iguais: “A Lei Básica: Igualdade”, que Gantz disse “visa consagrar o direito à igualdade e a proibição da discriminação”; “A lei da barriga de aluguel”, que iria “expandir igualmente o círculo daqueles com direito à barriga de aluguel, expandir o círculo das mulheres que podem servir como substitutas e regular a possibilidade de barriga de aluguel fora de Israel”; e “A Lei Básica: A Declaração de Independência”, que exigiria que os juízes “interpretassem toda a legislação israelense, incluindo outras Leis Básicas, à luz da Declaração de Independência como um documento constitucional”. Trazer as propostas do Kachol Lavan ao Knesset sem o acordo específico com o Likud viola uma cláusula dos acordos de coalizão assinados entre as duas partes.

A Kan relatou que o corpo jurídico do Kachol Lavan estava verificando se os membros do partido podiam apoiar legalmente a aprovação de legislação contrária ao governo e permanecer ministros.

Após o anúncio, o partido Likud disse que Netanyahu faria uma “declaração especial” sobre a possibilidade de eleições antecipadas, que as emissoras de TV cobriram ao vivo, antecipando o drama político. No entanto, falando brevemente no início da reunião do Likud, Netanyahu apenas disse que seu partido não apoiaria os esforços para dissolver o Knesset imediatamente e votaria esta semana “contra novas eleições e pela unidade do povo de Israel”.

O Kachol Lavan respondeu dizendo em um comunicado que “o público acabou com as mentiras de Netanyahu. Se não houvesse julgamento, haveria um orçamento”.

O comentário foi uma referência ao julgamento de corrupção de Netanyahu e ao atraso contínuo na aprovação de um novo orçamento do estado, que muitos analistas veem como uma manobra de Netanyahu para permanecer no poder graças à brecha que lhe permite permanecer no cargo se o governo cair devido a um impasse de orçamento.

O ultraortodoxo partido Shas, um aliado ferrenho do Likud de Netanyahu, criticou o Azul e Branco por apresentar os projetos de igualdade e disse que o partido e Gantz “decidiram dissolver o governo e ir às eleições” em um movimento que “sinaliza uma severa angústia política”.

O líder do Shas, Aryeh Deri, no início deste ano, ofereceu uma garantia pessoal no horário nobre da TV de que Netanyahu honraria o acordo de coalizão e que Gantz se tornaria primeiro-ministro. No início deste mês, ele parecia não honrar essa garantia.

O deputado do Likud Miki Zohar, o líder da coalizão, disse a vários meios de comunicação na noite de segunda-feira que Netanyahu pretendia honrar o acordo de divisão do poder com Gantz, dizendo que o primeiro-ministro não está interessado em eleições neste momento e colocando a culpa no Azul e Branco. “Não temos medo de ir às eleições”, disse ele ao Canal 12.

No acordo de coalizão entre o Likud e o Azul e Branco, os dois concordaram em aprovar um orçamento até 2021. Netanyahu, no entanto, agora insiste em orçamentos separados para 2020 e 2021, sem aprovação de um orçamento que lhe permite evitar a transferência do cargo de primeiro-ministro para Gantz – como o acordo também exige – e em vez disso ir às eleições.

Se a questão do orçamento não for resolvida até o final de dezembro, eleições antecipadas seriam automaticamente convocadas de qualquer maneira, a quarta em dois anos.

Gantz concordou em se juntar a Netanyahu em um governo de divisão de poder após três eleições não conclusivas, em um movimento que o líder Azul e Branco descreveu como necessário para lidar com a crise do coronavírus, apesar do golpe em seus próprios propósitos políticos.

O ministro da Ciência, Izhar Shay, do Kachol Lavan, disse na quinta-feira que havia uma “boa chance” de seu partido votar a favor da moção de censura ao governo, derrubando a coalizão e colocando o país formalmente no caminho para novas eleições.

As pesquisas mostram que um novo turno eleitoral é prejudicial para o Azul e Branco, que cairia para cerca de 10 cadeiras. As pesquisas projetaram o Likud ainda como o maior partido, com maior oposição do direitista Yamina e do centrista Yesh Atid.

Gantz até agora se recusou a dizer se o Kachol Lavan apoiaria o projeto. Seu partido está considerando propor seu próprio projeto de lei para dispersar o Knesset e evitar dar ao Yesh Atid o crédito pela mudança. O projeto de Lapid provavelmente fracassaria sem o apoio do Kachol Lavan.

A deputada pelo Yamina Ayelet Shaked disse que seu partido religioso de direita apoiaria o projeto de Lapid para dissolver o Knesset, com o governo parecendo estar à beira do colapso de qualquer maneira.

Shaked disse na semana passada que seu partido era agora “uma alternativa de liderança” ao Likud, e disse que as pessoas estavam cansadas dos “partidos que atualmente governam o país”. O líder do Yamina, Naftali Bennett “é capaz, digno e precisa ser o próximo primeiro-ministro”, declarou ela.

Fonte: Times of Israel

Foto: Reprodução Facebook. Ministro da Economia Amir Peretz e Ministro do Bem-Estar Itzik Shmuli

One thought on “Partido Trabalhista apoiará dissolução do Knesset

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *