Plano de ministra de vacinar sobreviventes recebe críticas

O plano da Ministra da Diáspora, Omer Yankelevitch, de vacinar todos os 320.000 sobreviventes do Holocausto no mundo foi imediatamente criticado por defensores dos sobreviventes, ex-diplomatas e especialistas em saúde pública, que a acusaram de fazer um esforço monumental para impulsionar seu perfil político antes das eleições parlamentares do país.

O Shalom Corps, uma organização sem fins lucrativos de propriedade conjunta do Ministério de Assuntos da Diáspora de Israel e da Agência Judaica para Israel, anunciou em 11 de janeiro que a Ministra Omer Yankelevitch estava lançando um programa para estabelecer “centros de inoculação gratuitos em diversos países”, bem como fornecer subsídios financeiros para inoculações de sobreviventes.

O grupo disse que estava planejando arrecadar dinheiro de filantropos judeus para apoiar seus esforços e que estava investigando como obter permissão de governos estrangeiros para operar em seu solo. As vacinas, disse, seriam obtidas “separadamente e em adição ao suprimento atual de Israel”. Para obter vacinas rapidamente e em número suficiente para toda a sua população, o governo israelense gastou várias vezes mais por dose do que os países europeus.

Especialistas consideram a iniciativa da parlamentar israelense de vacinar os sobreviventes do Holocausto como um golpe político.

“Que diabos ela estava pensando”, disse um ex-diplomata israelense, sob condição de anonimato. “Este é um ato de circo completo. Logisticamente, não é viável.”

LEIA TAMBÉM

“Você pode imaginar os russos trazendo a vacina russa para ser distribuída entre os russos? Ou um país árabe enviando vacinas exclusivamente para árabes israelenses? Este é um golpe político. Yankelevitch não se importa em ser ridicularizada no exterior, desde que receba aplausos ​​em casa.”

A ex-legisladora e diplomata Colette Avital, que atua como presidente do Centro de Organizações de Sobreviventes do Holocausto em Israel, também se mostrou cética, descrevendo a iniciativa como “parte de uma campanha política” conduzida pela ministra.

Foto: Wikimedia Commons

2 thoughts on “Plano de ministra de vacinar sobreviventes recebe críticas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *