Reino Unido publicará todos seus registros da Shoa

O Reino Unido deve disponibilizar ao público todos os seus registros relacionados ao Holocausto, pela primeira vez, para fins de pesquisa e estudo.

Em um anúncio feito no Dia da Lembrança do Holocausto, os governos de Guernsey e Jersey se comprometeram a disponibilizar publicamente seus registros do Holocausto.

O ministro-chefe de Jersey, John Le Fondré, disse: “Jersey está comprometida com a transparência e em garantir que nossos registros deste período sombrio estejam disponíveis e acessíveis a todos”.

O ministro-chefe de Guernsey, Peter Ferbrache, disse: “Guernsey está empenhada em garantir que os registros que possui, relacionados ao Holocausto e, de maneira mais geral, à ocupação nazista da ilha, sejam acessíveis.

“Uma quantidade substancial de trabalho já foi realizada ao longo dos anos para reunir e indexar os registros mantidos pelos Estados de Guernsey sobre este assunto, e os Arquivos da Ilha, onde a maioria desses registros é mantida, trabalha continuamente para melhorar a facilidade de acesso”.

O anúncio também significa que 787 livros da coleção St. Lambrecht, outrora saqueada pelos nazistas, estarão acessíveis ao público.

O Foreign, Commonwealth & Development Office (FCDO) planeja transferi-los para a Biblioteca do Holocausto Wiener, em Londres. A coleção de livros históricos de St. Lambrecht que datam do final do século XVI até 1943, inclui obras sobre história, direito, teologia e tópicos científicos ou pseudocientíficos, como anatomia, alquimia e pirotecnia.

LEIA TAMBÉM

A coleção estava escondida na Abadia de St Lambrecht, na Áustria, onde foi descoberta pela Comissão Aliada para a Áustria, em setembro de 1945, e enviada de volta ao Reino Unido.

O governo do Reino Unido está agora pedindo a outros países, em todo o mundo, que possuam coleções de materiais/registros relacionados ao Holocausto, para adotar uma abordagem semelhante.

Em uma época em que alguns negam ou distorcem o Holocausto, é importante tornar os documentos da época tão livremente disponíveis quanto possível.

O diretor da Biblioteca do Holocausto Wiener, Dr. Toby Simpson, disse: “A Biblioteca Wiener se orgulha de sua longa história de lançar luz sobre os capítulos mais sombrios da história, e sobre o Holocausto em particular. É fundamental garantir que o passado não seja ignorado ou trancado, mas confrontado e usado como ferramenta para construir um futuro melhor. Aplaudimos os esforços recentes do governo britânico para melhorar o acesso a registros vitais e esperamos uma cooperação futura”.

Fonte: Jewish News
Foto: Canva