Reivindicações e acordos para manter a coalizão

Em meio aos esforços para manter a coalizão, o ministro das Finanças, Avigdor Liberman, concordou com o deputado do Yamina, Nir Orbach, em adiar para 2024 um cancelamento de subsídios para creches para filhos de estudantes de yeshivá em tempo integral.

Essa medida foi incluída na lista de reivindicações de Orbach em troca da permanência na coalizão. Entre as outras reivindicações estão a convocação da comissão de planejamento para autorizar a construção de novas casas na região da Samaria e Judeia e conectar postos avançados da região à rede elétrica.

Ao mesmo tempo, o primeiro-ministro Naftali Bennett anunciou que decidiu declarar o deputado Amichai Shikli como dissidente para que ele não possa se juntar a um partido existente nas próximas eleições.

“Shikli não compareceu à grande maioria das votações da Knesset para evitar votar contra a posição do partido. Em repetidas entrevistas à mídia, Shikli admitiu que sua conduta foi intencional e tática”. De acordo com Bennett, durante a recente sessão de inverno da Knesset, Shikli começou a votar contra a posição do partido, inclusive na Lei de Cidadania e na Lei de Orçamento.

As mudanças desejadas por Liberman previam que os subsídios seriam concedidos apenas se ambos os pais da criança trabalhassem pelo menos 24 horas por semana. A medida teria efetivamente encerrado os subsídios para cerca de 21.000 crianças.

LEIA TAMBÉM

Orbach exigiu que o movimento de Liberman fosse revertido como condição para permanecer na coalizão após a saída de Idit Silman, do Yamina, que privou o governo de sua maioria parlamentar.

Se Orbach renunciasse, ele deixaria Bennett com um governo minoritário de 59 dos 120 assentos na Knesset.

Fontes: Haaretz e The Times of Israel
Foto: Twitter